O grande partido do 'voto partido'

Faltas, brancos e nulos somam quase 40% no primeiro turno — mais que os Marcelos juntos

Por gabriela.mattos

Rio - Num país onde o voto é obrigatório, faltosos e revoltosos conseguem ser mais numerosos que o eleitorado de João Doria, vitorioso no primeiro turno em São Paulo, e batem o desempenho (somado) dos Marcelos Crivella e Freixo. A abstenção, que na média nacional ficou em 17%, bateu recordes nas megalópoles e até chamou a atenção de Michel Temer. “É uma mensagem, um recado que se dá à classe política brasileira, para que reformule eventuais costumes inadequados”, disse o presidente, em viagem à Argentina.

?Veja quantos votos o Rio não computou

O bloco dos ausentes não é o único que se destaca. Os que votaram em branco ou anularam também deram seu recado e formam, com os faltosos, um contingente que chega a 38% do eleitorado no Município do Rio — que passam a ser cortejados pelos Marcelos na disputa.

Thereza Cristina, de 39 anos, não abre mão do voto. Já Luan Malaquias da Silva, de 26 anos, alega estar cansado da classe política: “É a primeira vez que deixo de votar. Cansei.”Alexandre Brum e Maíra Coelho / Agência O DIA

O Centro foi a região onde mais se jogou voto no lixo: 41% ou faltaram, ou anularam ou teclaram branco. A 1ª Zona, na Saúde, puxou a média para cima. Praticamente metade do eleitorado não deu a mínima.

“Os números da alienação eleitoral foram elevados não só no Rio, mas em outras capitais também. O fenômeno pode estar relacionado a uma descrença generalizada da política depois dos sucessivos escândalos de corrupção, do processo de impeachment e também da falta de resposta da classe política em relação à crise econômica”, explica Felipe Borba, cientista político e professor da Unirio.

Entre os eleitores que sequer deram as caras nos locais de votação domingo está o comerciário Luan Malaquias da Silva, de 26 anos, morador da comunidade de Cantagalo, em Copacabana. “É a primeira vez que deixo de votar. Cansei. Tô ‘por aqui’ com a classe política. Não vi proposta com soluções concretas para os problemas básicos nas áreas de Saúde, Educação e segurança”, pondera Alan, sem se importar com as punições previstas pela lei eleitoral, entre elas o pagamento de multa de R$ 3,51 por turno. “Já pagamos tantos impostos... Será apenas mais uma taxa”, ironizou, dizendo-se indignado de ter que conviver, “em pleno século 21”, com esgoto a céu aberto onde mora.

Já Thereza Cristina da Silva Reis, de 39 anos, guarda com orgulho seu comprovante de anteontem. “Faço questão de exercer a cidadania do voto”, afirma. Dia 30, garante, estará de novo na sua seção eleitoral.

Se não houver justificativa em 60 dias, o eleitor que não votou recebe a multa. Se não pagar, fica em débito com a Justiça Eleitoral e não poderá solicitar a Certidão de Quitação Eleitoral. Isso faz com que o devedor fique impedido de requerer passaporte ou carteira de identidade, assim como receber o salário, se for funcionário público. Também não poderá pedir empréstimo em banco público, inscrever-se em concurso público ou em instituições públicas de ensino.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia