Prefeitura de Maricá suspende linhas de ônibus gratuitas

Município divulgou nota contra decisão de suspender os Vermelhinhos, que 'são de uma relevância comprovada para a população mais carente'

Por gabriela.mattos

Rio - A Prefeitura de Maricá anunciou que vai suspender todas as linhas dos Vermelhinhos, ônibus gratuitas da Empresa Pública de Transportes (EPT), a partir desta quarta-feira. A ação contra esses coletivos foi impetrada pelos sindicatos das empresas de ônibus Nossa Senhora do Amparo e Viação Costa Leste. 

De acordo com informações do município, a medida afeta um serviço "de relevância comprovada para a população mais carente de uma cidade na qual 75% dos moradores ganham entre um e três salários mínimos". 

Prefeitura de Maricá suspendeu circulação dos VermelhinhosDivulgação

"Desde sua implantação, em setembro de 2013, o sistema de Tarifa Zero de Maricá teve a sua viabilidade comprovada e tornou-se uma referência nacional no debate sobre o direito à mobilidade, tendo registrado 349.600 viagens em suas roletas e mais de 155 mil quilômetros percorridos em 4.387 etapas", informou a prefeitura.

Além disso, segundo o município, a criação desse sistema também atende a necessidade de "ampliação dos transporte público de forma proporcional à demanda representada pelo crescimento vertiginoso da população nos últimos anos". A prefeitura destacou ainda que os Vermelhinhos causaram um impacto positivo na economia local.

"A suspensão também castiga o corpo de funcionários da EPT, motoristas, inspetores de tráfego, mecânicos, controladores, etc. todos contratados através de concurso público realizado pelo município sem que houvesse qualquer restrição por parte da Justiça, com lisura e transparência", reforçou, em nota, o município.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia