Mais Lidas

Servidores de prefeituras vão romper o ano sem 13º salário

Em 12 de 21 municípios da Região Metropolitana há atrasos. Em alguns, não há previsão

Por tabata.uchoa

Rio - Este vai ser o primeiro Natal em que a técnica de enfermagem X., de 45 anos, funcionária da Secretaria de Saúde de Duque de Caxias há 25, não vai poder comprar presente para a filha, de 13. X. tem recebido em parcelas seu salário desde o início de 2016 e ainda não sabe quando terá a remuneração de novembro, nem o 13º. O telefone foi cortado, o colégio da menina está atrasado e a reserva de matrícula para 2017, prestes a ser suspensa. O marido, servidor estadual, teve o pagamento dividido em nove vezes e não pode ajudar muito.

Sem receber desde outubro, Fernanda Genuíno, funcionária de Mesquita, não tem como comprar remédios da mãeDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Os servidores da maioria das cidades do Grande Rio vão passar o Natal deste ano sem ceia ou com bem menos fartura e sem perspectivas para o início de 2017. Dos 21 municípios, pelo menos 12 (57%) não estão conseguindo honrar os pagamentos de ativos, aposentados e pensionistas. A maioria alega queda na arrecadação, perda de royalties do petróleo e redução dos repasses do estado.

Além de Caxias, estão atrasando salários ou ainda não pagaram o 13º de todos os funcionários, que venceu no dia 20, as prefeituras de Belford Roxo, Guapimirim, Itaboraí, Itaguaí, Mesquita, Nova Iguaçu, Nilópolis, Rio Bonito, São Gonçalo, São João de Meriti e Paracambi. As prefeituras com pagamentos em dia são Japeri, Magé, Maricá, Niterói, Queimados, Rio de Janeiro e Tanguá. O DIA não conseguiu contato com as prefeituras nem sindicatos de Seropédica e de Cachoeiras de Macacu para confirmar a situação nessas cidades.

A funcionária de Caxias, que prefere não se identificar, ficou frustrada quando soube que uma liminar obtida pela Defensoria Pública na Justiça, que obrigava o município a pagar atrasados de outubro, novembro e o 13º até ontem, sob pena de arresto, fora suspensa em segunda instância na madrugada de terça-feira pelo desembargador Francisco Pessanha. O prefeito Alexandre Cardoso (PSD) não concorreu à reeleição.

Servidores de São Gonçalo fizeram protesto na porta da prefeitura e entraram no gabinete do prefeito para cobrar o pagamento do 13ºClever Felix / Parceiro / Agência O Dia

“Estava de plantão segunda-feira quando recebi a notícia de que ia receber hoje (ontem). Fiquei muito feliz, mas tomei um balde de água fria depois que a prefeitura recorreu e o juiz entendeu que nosso salário não é necessidade básica”, desabafa.

Em Mesquita, onde moradores afirmam que o prefeito Gelsinho Guerreiro (PRB) sumiu desde que perdeu a eleição, a cidade se afoga em lixo devido à falta de coleta, o atendimento médico é precário e os salários estão atrasados. A professora Fernanda Genuíno, 30, não recebeu novembro e o 13º. “Minha mãe mora comigo. Ela não tem renda e depende de remédios de pressão. Estamos contando com ajuda de amigos para isso. Meu segundo aluguel vai vencer no dia 30”, reclama.

Prefeitura de São Gonçalo é invadida

Revoltados com a falta de pagamento do 13º salário previsto para o dia 20, como determina a legislação, cerca de 200 servidores de São Gonçalo fizeram protesto na sede da prefeitura ontem. Os manifestantes entraram no prédio e ocuparam a Secretaria de Administração e o saguão do segundo piso. De acordo com a assessoria da prefeitura, o protesto começou por volta das 9h e foi até 14h30.

A prefeitura afirma que não tem dinheiro para pagar o 13º salário. A Justiça arrestou as contas do município ontem, mas, segundo a assessoria do prefeito Neilton Mulim (PR), que perdeu a disputa à reeleição, não há dinheiro suficiente mesmo com o arresto. O prefeito agora diz que vai analisar quanto tem em caixa para ver quando será possível pagar a dívida.

O Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe) planeja fazer outro protesto chamado de ‘Ceia da Indignação’, para alertar sobre as dificuldades que os funcionários vão passar no Natal deste ano.

A justificativa do município é que houve redução dos repasses do estado, perda de quase 80% da receita própria desde abril e que a cidade deixou de receber R$ 1,1 milhão ao mês em royalties.

Em São João de Meriti, a situação é mais grave. Lá, os inativos da Educação estão sem receber salários desde agosto. Já os inativos de outras secretarias, desde julho, segundo a própria prefeitura. E o pior: não há previsão para os pagamentos. Em relação aos funcionários ativos da cidade, falta pagar 50% do total das folhas de outubro e de novembro. As razões apontadas são as mesmas: queda na arrecadação municipal e nos repasses do estado. O prefeito Sandro Matos (PHS) encerra este ano seu segundo governo na cidade.

Prefeituras alegam perdas

O prefeito de Duque de Caxias, Alexandre Cardoso, aponta como principal motivo para os atrasos a queda de arrecadação. “Nos últimos dez meses, perdemos o equivalente a R$ 180 milhões, que é mais de duas folhas (de pagamento dos servidores)”, afirma. Diz ainda que o estado não paga a UPA há 24 meses. Cardoso pretende acertar os atrasados até dia 30, mas não promete. “Só sabemos quando entra dinheiro no dia.”

Segundo Itaboraí, quem recebe acima de R$ 6 mil terá o mês de novembro depositado hoje. Não há previsão para os terceirizados da Educação, sem salários desde setembro, nem para o 13º de nenhum servidor. O município alega que sofreu queda de 50% na arrecadação própria após a paralisação das obras do Comperj, diante do escândalo da Operação Lava Jato.

A Prefeitura de Itaguaí afirma que novembro está sendo pago neste mês, de acordo com cronograma discutido com os sindicatos. A primeira parcela do 13º foi paga a 80% do total. O restante será após o fechamento da folha de dezembro. Queda da arrecadação é a razão apontada para a irregularidade.

A Prefeitura de Nilópolis divulgou nota no dia 20, dizendo que sempre honrou seus compromissos e que 48% dos funcionários já receberam o 13º. A promessa é pagar aos demais nos próximos dias.

O DIA não conseguiu contato com as prefeituras dos demais municípios em situações de atraso ou não obteve respostas.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia