Mais Lidas

Eike propõe pagar multa de R$ 55 milhões em acordo de delação

Valor seria ressarcimento pela propina que o empresário pagou em esquemas de corrupção

Por rodrigo.sampaio

Rio - O empresário Eike Batista ofereceu pagar de multa de cerca de R$ 55 milhões à Justiça no acordo de delação premiada que está para ser homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nas próximas semanas. O valor seria uma forma de "ressarcimento" por toda a propina que Eike teria pago a agentes públicos em esquemas de corrupção. A Lava Jato do Rio identificou, na Operação Eficiência, que Eike teria repassado US$ 16,5 milhões ao ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), supostamente para obter vantagens em negócios do Grupo X.

Eike quer tentar acordo após prisãoSandro Vox / Agência O Dia

O valor do ressarcimento prometido por Eike será mais alto do que a fiança de R$ 52 milhões que pagou à 7ª Vara Federal Criminal do Rio. O empresário tem ainda R$ 88 milhões em espécie, além de imóveis e carro, bloqueados em outros processos, que correm na 3.ª Vara Federal Criminal do Rio.

O fundador do Grupo X cumpre prisão domiciliar e está afastado da administração direta de seus negócios. Interrogado pela Justiça no fim de junho, Eike não respondeu se havia pago propina ao ex-governador.

"Quero colaborar 100% com a Justiça. É o meu dever. Sobre essa questão (suposto pagamento de propina a Cabral), a recomendação dos meus advogados neste instante é ficar em silêncio", disse o empresário ao juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal Criminal.

O ex-governador Sérgio Cabral declarou ao juiz Bretas que a única vez em que pediu a Eike Batista recursos de seu "interesse pessoal" foi em 2010, supostamente para a campanha eleitoral daquele ano. Segundo ex-governador, ficou acertado em reunião na casa de Eike o pagamento de um valor entre R$ 25 milhões e R$ 30 milhões. Cabral, que está preso, negou, no entanto, ter recebido propina do empresário.

A delação de Eike está para ser homologada, nas próximas semanas, pelo STF. O processo corre do Tribunal por causa do foro privilegiado que alguns delatados por Eike têm.

O advogado de Eike, Fernando Martins, disse que só se pronunciará oficialmente após a homologação do acordo. Já a força-tarefa da Lava Jato no Rio afirmou que "não comenta delações".

Com informações do Estadão Conteúdo

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia