Mais Lidas

Ex-marido confessa ter matado grávida por asfixia e se entrega à polícia

Matheus Almeida da Silva contou que teve uma discussão com a ex-mulher, Katyara Pereira da Silva, que levou a morte dela e de seu bebê

Por O Dia

Katyara Pereira da Silva
Katyara Pereira da Silva -

Rio - A Polícia Civil prendeu na noite desta segunda-feira Matheus Almeida da Silva. Ele se entregou à Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) e confessou ter matado a ex-mulher, a atendente de caixa Katyara Pereira da Silva, por asfixia. Ela estava grávida de cinco meses e morava em Belford Roxo. O bebê não sobreviveu.

Segundo a polícia, o homem chegou à casa de Katyara e teve uma discussão com ela. Matheus contou que a ex-mulher começou a gritar e ele tentou fazer com que ela parasse, provocando asfixia nela.

Entenda

O corpo de Katyara foi encontrado em sua residência, na manhã desta segunda por policiais do 39º BPM (Belford Roxo). A atendente morava com duas filhas, uma de 3 e outra de 10 anos, na Rua Diogo Moreira, no Parque São José. Segundo a polícia, a filha mais nova gritava muito no local.

Katyara foi encontrada com marcas de agressão no corpo e com um saco plástico na boca. A casa da atendente estava revirada.

Pelas redes sociais, parentes e amigos prestaram homenagens e se mostraram revoltados com a morte de Katyara e de seu bebê. "Não aceito isso! Você era uma guerreira, tinha um coração incrível. Meu Deus, como podem existir monstros assim?", postou uma amiga. "Até agora não consigo acreditar. Não será mais a mesma coisa entrar no mercado e não te ver. Que Deus te receba de braços aberto e console o coração de toda sua família. Vá em paz!", publicou outra.

Outro caso

Além do assassinato de Katyara, o Rio teve outro homicídio de uma grávida nesta segunda. Em Realengo, na Zona Oeste da cidade, Dandara Helena Damasceno de Souza, 21, foi morta com um tiro no rosto, na Vila Vintém. O principal suspeito é seu marido, que prometeu se entregar à polícia nesta terça.

Dandara estava grávida de 25 semanas. Médicos do Hospital Albert Schweitzer conseguiram fazer o parto da criança, que nasceu com 900 gramas. O estado de saúde dela é grave. A mãe já chegou morta à unidade de saúde.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia