Casal de pesquisadores lamentam incêndio no Museu Nacional: 'Perdi parte da minha vida'  - Agência O Dia
Casal de pesquisadores lamentam incêndio no Museu Nacional: 'Perdi parte da minha vida' Agência O Dia
Por RAFAEL NASCIMENTO

Rio - O sonho e o trabalho de muitos pesquisadores e alunos se perderam nas labaredas que consumiram o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, por mais de seis horas. É o caso do casal de pesquisadores Mariane Targino e Pedro Souza Dias que começariam a trabalhar no local, nesta segunda-feira.

Dias, que é professor de biologia, foi empossado na última sexta-feira e seria curador da entomologia (especialidade da biologia que estuda os insetos sob todos os seus aspectos e relações com o homem, as plantas, os animais e o meio-ambiente). O local onde ele trabalharia foi o mais afetado. Desolado, ele ficou horas na frente do museu tentando entender o que havia acontecido.

"Entrei como pesquisador e curador da entomologia e hoje seria o meu primeiro dia de trabalho. Não sei dizer o que estou sentindo. Sou de São Paulo e acabei de me mudar para o Rio. Fiquei sabendo desse desastre na rua, quando estávamos comprando os materiais para a casa nova", contou.

"Na academia a gente sabe que é um descaso e que vem de muito tempo. A gente já sabia que se acontecesse algum incêndio aqui, a chance de destruir tudo seria muito grande. O que sinto é que perdi parte da minha vida, dos meus estudos. Agora nós teremos que recomeçar", desabafa. 

Já Mariane, passou recentemente para trabalhar no Museu Nacional como gerente de Coleção. Ela é bióloga e fez Mestrado no Museu Nacional e graduação na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). "Fiquei sabendo dessa tragédia pelo rádio, mas inicialmente não tive a real dimensão do que estava acontecendo. Pensei que seria algo que seria controlado rápido", comentou. 

O incêndio no Museu Nacional começou na noite de domingo (02), por volta de 19h20. O Corpo de Bombeiros foram acionados por guardas municipais que faziam a ronda do parque. O socorro demorou cerca de seis minutos para chegar, mas segundo relatos de quem trabalhava para conter as chamas, elas se alastraram rapidamente.

Ainda de acordo com os Bombeiros, o combate ao fogo também foi prejudicado devido a falta de água em dois hidrantes do parque. Entretanto a Cedae, concessionária responsável pelo abastecimento da cidade, negou o fato. " Não houve falta d'água em momento algum no local. Como informado a região está plenamente abastecida. Inclusive foram disponibilizados outros hidrantes na localidade da Quinta que abasteceram os carros-pipa que atuaram no local", diz trecho da nota. 

As causas do incêndio ainda não foram descobertas. Segundo o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, o fogo pode ter sido ocasionado por um curto-circuito ou por um balãoO trabalho de perícia e de investigação será conduzido por agentes da Polícia Federal (PF), da Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio.

O Museus Nacional possuía um acervo de mais de 20 milhões de peças, entre eles um meteorito de 5 toneladas, o primeiro dinossauro montado no Brasil e o mais antigo fóssil humano encontrado no país. O local também foi residência da Família Real. 

 

Você pode gostar