Morre militar da FAB baleado ao entrar em comunidade na Zona Norte

José Luiz Gomes de Freitas estava internado, desde a última quinta-feira, em estado grave no Hospital Albert Schweitzer

Por O Dia

Portal dos Procurados pede informações sobre suspeitos
Portal dos Procurados pede informações sobre suspeitos -

Rio - O soldado da Força Aérea Brasileira (FAB) José Luiz Gomes de Freitas morreu, na noite desta segunda-feira, após ficar quatro dias internado em estado grave no Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, na Zona Oeste do Rio. Ele estava em um carro de aplicativo que foi alvejado por criminosos durante uma tentativa de assalto em Guadalupe, na Zona Norte. 

Na ocasião, o motorista de aplicativo Renato Euclides Nogueira foi morto a tiros por bandidos do Gogó da Ema, em Guadalupe. Segundo a PM, ele levava o militar da Aeronáutica para Realengo quando decidiu cortar caminho pela comunidade.

Na esquina das ruas Fernando Lobo com a Rasa, ele teria se deparado com vários traficantes armados e acelerado o carro, desobedecendo a ordem de parada dada pelos criminosos, que atiraram.

Em nota, a FAB lamentou a morte do militar e informou que o Comando da Aeronáutica está prestando todo apoio à família de José Luiz Gomes de Freitas. 

Portal dos Procurados pede informações sobre suspeitos

O Portal dos Procurados divulgou, na tarde desta quarta-feira, cartaz com pedido de informações que possam levar aos envolvidos na morte do soldado da Aeronáutica José Luiz Gomes de Freitas e também do motorista de aplicativo Renato Euclides Nogueira.

Com a morte do militar José Luiz, já chega a 90 o número de agentes de segurança, assassinados no estado em 2018. Sendo 69 da Polícia Militar, cinco da Polícia Civil, quatro agentes penitenciários da Seap, seis do Exército, um guarda municipal de Silva Jardim, um policial federal, um marinheiro, dois militares do Corpo de Bombeiros, e um soldado da Aeronáutica.

Quem tiver informações a respeito da identificação e localização dos assassinos do agente de segurança e do motorista deve denunciar pelos seguintes canais: WhatsApp ou Telegram Portal dos Procurados (21) 98849-6099; pelo Facebook: https://www.facebook.com/procurados.org/, pelo Disque-Denúncia (21) 2253-1177, ou pelo aplicativo do Disque Denúncia. O anonimato é garantido.

 

 

Últimas de Rio de Janeiro