Adolescente tentou matar colega na escola após ser 'delatado'

Segundo a delegada Natacha Oliveira, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), uma estudante espalhou que o apreendido estava com uma arma na mochila. Ele pegou a pistola no Morro da Coroa e entregaria na Vila Vintém, em Realengo

Por RAFAEL NASCIMENTO

Arma usada na tentativa de homicídio dentro de sala de aula
Arma usada na tentativa de homicídio dentro de sala de aula -

Rio - O adolescente de 16 anos que tentou atirar na cabeça de uma colega dentro de uma sala de aula na Escola Municipal Mário Cláudio, no Rio Comprido, na Zona Norte, cometeu o crime após ficar "irritado" por ter sido delatado pela estudante.

Segundo a delegada Natacha Oliveira, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), ela espalhou que o menor estava com uma arma na mochila. Ao saber que tinha sido "dedurado", tentou atirar na jovem, mas a pistola falhou. Foi então que ele deu duas coronhadas na vítima.

Ainda de acordo com a delegada, o adolescente disse que a menina "espalhou para todo mundo (que ele estava armado) e que ele poderia ser penalizado por isso"."Irritado com a garota ele praticou o crime. A vítima argumenta que o jovem apontou a arma em sua direção, apertou o gatilho, mas não disparou. Após isso, ele teria dado duas coronhadas", conta a a titular da DCAV.

Segundo Natasha, ele pegou a pistola no Morro da Coroa, onde mora, e entregaria na Vila Vintém, em Realengo. O jovem já tem três passagens pela polícia por tráfico e associação ao tráfico, e chegou a ficar apreendido no Degase.

"Ontem, ele foi para uma audiência de custódia no Núcleo de Audiência de Apresentação (Naap), no Tribunal de Justiça. No entanto, o caso ficará a cargo da Vara da Infância e da Juventude para uma medida socioeducativa", diz Natacha.

A delegada criticou a postura das escolas de não monitorarem os alunos dentro das unidades de ensino. "Essa é uma situação delicada que poderia ter exposto outros colegas e funcionários da unidade a grave risco. Ao meu ver, julgo necessário que tenha maior fiscalização no ingresso desses jovens nas escolas", finaliza.

Falta de controle no acesso à escola

Moradores e pais de alunos da Escola Municipal Mário Cláudio dizem que falta controle de acesso na unidade e "entra quem quer", pois o local não tem uma pessoa específica para tomar conta da portaria. Na manhã desta quarta-feira, a direção da unidade deslocou um funcionário para a função.

A escola fica próxima da principal entrada do Morro do São Carlos. Moradores da região ficaram perplexos com o fato. "É triste ver que a violência chegou até no local que se ensina combater a violência. Infelizmente, perdeu-se o respeito”, disse a empregada doméstica Beth Silva Ferreira.

A Escola Mário Cláudio apresenta sinais de abandono, com fiações expostas e há alguns meses parte da marquise caiu, mas o reparo ainda não foi feito. O DIA tenta contato desde cedo com a Secretaria Municipal de Educação, com a 1ª Coordenadoria Regional de Educação (responsável pela unidade escolar) e com a própria direção da escola. No entanto, ninguém se pronunciou ainda.

Últimas de Rio de Janeiro