Adolescente tenta atirar na cabeça de colega dentro de sala de aula, mas arma falha

Estudante usou uma pistola, que estava com adaptador para rajada e carregador com 16 munições

Por RAFAEL NASCIMENTO

Arma usada na tentativa de homicídio dentro de sala de aula
Arma usada na tentativa de homicídio dentro de sala de aula -

Rio - Um adolescente de 16 anos tentou atirar na cabeça de um colega dentro de uma sala de aula no Rio Comprido, na Zona Norte. O caso aconteceu nesta segunda-feira, na Escola Municipal Mário Cláudio, que fica na Rua Haddock Lobo 148. De acordo com a Polícia Civil, no momento do disparo, a arma falhou e ele, então, deu coronhadas na cabeça de outro estudante.

O menor, morador do São Carlos e que faz o nono ano do Ensino Fundamental na unidade, que é próxima à entrada da unidade, foi detido por policiais da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) e vai responder pelo porte ilegal de arma de fogo e tentativa de homicídio.

Com ele, os agentes apreenderam a arma usada na escola, uma pistola Glock G17, de uso restrito, com adaptador para rajada e carregador com 16 munições. Contra o adolescente, havia uma mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça em aberto.

Falta de controle no acesso à escola

Moradores e pais de alunos da Escola Municipal Mário Cláudio dizem que falta controle de acesso na unidade e "entra quem quer", pois o local não tem uma pessoa específica para tomar conta da portaria. Na manhã desta quarta-feira, a direção da unidade deslocou um funcionário para a função.

A escola fica próxima da principal entrada do Morro do São Carlos. Moradores da região ficaram perplexos com o fato. "É triste ver que a violência chegou até no local que se ensina combater a violência. Infelizmente, perdeu-se o respeito”, disse a empregada doméstica Beth Silva Ferreira.

A Escola Mário Cláudio apresenta sinais de abandono, com fiações expostas e há alguns meses parte da marquise caiu, mas o reparo ainda não foi feito. O DIA tentou contato com a Secretaria Municipal de Educação, com a 1ª Coordenadoria Regional de Educação (responsável pela unidade escolar) e com a própria direção da escola. No entanto, ninguém se pronunciou ainda. 

Últimas de Rio de Janeiro