Árvore da Lagoa volta no dia 1º de dezembro

Estrutura metálica de 70 metros de altura, equivalente a um prédio de 24 andares, será iluminada com 900 mil microlâmpadas de led e capacidade para iluminar até 160 casas

Por *Luana Dandara

Pezão durante coletiva de imprensa nesta tarde
Pezão durante coletiva de imprensa nesta tarde -

Rio - Após dois anos ausente, a Árvore da Lagoa Rodrigo de Freitas está prestes a voltar a iluminar o Natal carioca no próximo mês. A estrutura de 70 metros de altura, equivalente a um edifício de 24 andares, já começou a ser montada e vai chegar à Zona Sul no dia 1º, onde ficará até 6 de janeiro de 2019. O evento de inauguração da renomeada 'Árvore do Rio' terá sete minutos de queima de fogos de artifício, e já há previsão atrair 200 mil pessoas. Para que o evento saia realmente do papel, há a necessidade ainda de um plano de trânsito para a região. O assunto entra em pauta hoje para que não haja atrasos na instalação do símbolo natalino.

Com oito projeções de luz e 900 mil microlâmpadas de LED, as apresentações vão mostrar a construção da árvore desde o pinheiro até a decoração dos enfeites natalinos, com a predominância das cores verde e amarelo. Além do novo nome, o projeto tem o patrocínio da Petrobras, após a Bradesco Seguros sair da empreitada em 2016.

A estrutura será 15 metros menor, em comparação a 2014, quando era equivalente a um prédio de 28 andares. Em 2015, ao completar 20 anos com o tema Renovação da Vida, a árvore teve sua última instalação em uma versão menor devido a uma ventania que destruiu sua montagem no mês de novembro, oito dias antes da inauguração.

Neste ano, a árvore flutuante será mais leve, com 369 toneladas, enquanto as anteriores pesavam 542 toneladas. Assinada pelo cenógrafo Abel Gomes, a árvore vai ser acesa de 20h à 1h de segunda a quinta-feira, e até às 2h de sexta a domingo. A potência, de 1,3 mil kVas, ilumina até 160 casas.

O governador Luiz Fernando Pezão reforçou que o evento é importante para a recuperação financeira do Rio, já que atrai turistas e gera empregos. "A gente perdeu, em quatro anos, R$ 40 bilhões de arrecadação, e estamos aqui. Esse ano, também voltamos com o patrocínio para as escolas de samba. A indústria do entretenimento é a cara do Rio", afirmou ele.

"O mínimo que podemos fazer é dar condições, melhorar a segurança e investir cada vez mais nessas parcerias", acrescentou Pezão, que disse estar fazendo a melhor transição possível para o governador eleito Wilson Witzel (PSC).

Idealizador do novo projeto, o empresário Roberto Medina acredita que o monumento significa um ressurgimento do orgulho de ser carioca. "É uma cidade que nasceu para brilhar, e ficou mais triste nesse tempo sem a árvore. Espero que ela simbolize um novo tempo, marcado por renovação, prosperidade e paz. É do nosso DNA fazer os melhores eventos do mundo", disse ele. Cerca de 1.200 pessoas estão envolvidas na montagem e na operação da estrutura.

A Árvore da Lagoa, montada pela primeira vez em 1996, foi incluída em 1999 no Guinness Book of Records (o Livro dos Recordes) como a maior árvore de natal flutuante do mundo, e já teve sua inauguração transmitida na Times Square, em Nova York, nos Estados Unidos.

Operação especial será organizada

Por conta da grandiosidade do evento, a prefeitura vai alinhar uma operação especial de ordenamento urbano na Lagoa. Segundo Rodrigo Castro, subsecretário municipal de eventos, amanhã começam as primeiras reuniões com as empresas produtoras.

"A gente recebe de braços abertos essa novidade. É um momento muito oportuno, esse sentimento de retomada. Colocamos estrutura da prefeitura a disposição", enfatizou Castro. A operação vai contar com apoio do Centro de Operações do Rio, da Comlurb e da Guarda Municipal.

Questionado sobre a liberação do projeto, que ainda não foi feita, Rodrigo explicou que o documento deve ser assinado na próxima semana. "O evento está totalmente aprovado. O prefeito Marcelo Crivella inclusive faz questão de assinar a autorização. A liberação está seguindo a tramitação normal, não há entraves. O impacto no trânsito será discutido nas próximas reuniões", afirmou.

*Estagiária sob supervisão de Angélica Fernandes

Últimas de Rio de Janeiro