Crea pede laudo de autovistoria de prédio do Leblon

Placas de mármore da varanda de um dos apartamentos desabou e atingiu jovem que passava na rua. Vítima está em estado grave

Por Antonio Augusto Puga

Prefeitura interditou parte da área frontal, além da garagem e varanda
Prefeitura interditou parte da área frontal, além da garagem e varanda -

Rio - O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-RJ) vai pedir à Prefeitura do Rio, na próxima semana, o laudo de autovistoria do prédio Arthur Rubinstein, na Rua João Lira, no Leblon, Zona Sul do Rio. Na noite de quarta-feira, placas de mármore da varanda de um dos apartamentos do edifício se soltaram e atingiram a jovem Larissa Resende, de 20 anos. Ela está internada em estado grave, com traumatismo craniano e fratura no braço, em um hospital particular.

Segundo o coordenador da comissão de prevenção de acidentes do CREA-RJ, Jorge Mattos, é preciso apurar o que causou a queda do revestimento da varanda do apartamento do quinto andar. "Pelas imagens que vi há sinais de corrosão na estrutura de ferro, que pode ter sido causada por infiltração de água. Com a infiltração, a barra de armadura da estrutura se corroeu e expandiu, ocorrendo o desplacamento. A maresia também contribui para esta situação. Assim, quero que a prefeitura envie o laudo para ver quem assina e o que foi realizado", comentou.

A autovistoria está dentro do prazo de cinco anos de validade. Ou seja, a última aconteceu em 17 de abril de 2014. " Pela data está dentro do prazo, mas é preciso verificar o laudo. Acredito que a infiltração não tenha sido detectada na época, até porque parece ter entre dois e três anos, o que só seria visto na próxima autovistoria", disse Mattos.

A Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, vinculada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), realizou ontem três interdições no apartamento. Estão interditadas a área frontal do prédio, a entrada da garagem na lateral direita e a área frontal/varanda onde houve o incidente (por risco de queda do material restante da fachada).

A 14ª DP (Leblon) investiga o caso, que foi registrado como lesão corporal culposa. A proprietária do apartamento, não quis se identificar, e seria esposa do síndico, disse apenas que estava abalada com o que aconteceu e que vem tendo contato com familiares da vítima.

A queda

Segundo testemunhas, Larissa Resende tinha acabado de deixar um bloco de Carnaval que desfilava próximo e, ao passar pela Rua João Lira, foi atingida pelo revestimento da varanda do apartamento do quinto andar. Socorrida pelo Corpo de Bombeiros e levada para o Hospital Municipal Miguel Couto, ela teve traumatismo craniano e passou por duas cirurgias. Ontem, a jovem foi transferida para um hospital particular e o estado de saúde é grave.

O vendedor José Luiz de Souza, dono de uma barraca na praia, ouviu forte estrondo e correu para o local. "Eu estava guardando minhas coisas no furgão que estava estacionado na Rua João Lira quando ouvi um barulho. Vi um grupo de rapazes e moças gritando e pedindo ajuda. Foi uma cena terrível. Não quis mexer nela porque poderia piorar o estado dela. A cabeça e o braço foram muito afetados. O porteiro estava desesperado, ainda tentei acalma-lo. Os bombeiros chegaram bem rápido para socorre-la", contou.

Comentários