Freixo, sobre prisões de executores de Marielle: 'Importantes e tardias'

Deputado federal e amigo pessoal da vereadora quer saber quem é o mandante do atentado

Por O Dia

Marcelo Freixo no desfile da Mangueira, que, entre outras pessoas, homenageou Marielle
Marcelo Freixo no desfile da Mangueira, que, entre outras pessoas, homenageou Marielle -

Rio - Rio - Amigo de Marielle Franco, o deputado federal Marcelo Freixo (Psol-RJ) manifestou-se nesta manhã sobre a prisão de um PM e um ex-PM acusados da morte da vereadora e do motorista dela, Anderson Gomes, em 14 de março do ano passado. Para o parlamentar, muitas perguntas precisam ser respondidas:

"As prisões dos executores de Marielle e Anderson são importantes e tardias. É inaceitável que se demore um ano para termos alguma resposta. É um passo decisivo, mas o caso não está resolvido. É fundamental saber quem mandou matar e qual a motivação", escreveu Freixo no Twitter.

Também deputado federal pelo Psol-RJ, Chico Alencar usou a mesma rede social para questionar:

"Quem são os mandantes?'

Presidente da Câmara se manifesta

O vereador Jorge Fellipe (MDB), presidente da Câmara, afirmou que o crime foi um atentado à representatividade:

“Como presidente da Câmara Municipal do Rio, me sinto aliviado em saber que o crime está prestes a ser esclarecido e os culpados punidos. Os vereadores não se conformavam com a impunidade pelo assassinato de uma colega. Foi um atentado à representatividade, um fato que coloca em xeque a própria democracia”, vereador Jorge Felippe.

Para David Miranda, deputado federal do Psol, que ocupou a vaga de Jean Wyllys, diz que, a luta agora, é para descobrir quem foi o mandante do assassinato de Marielle. "Quem executou fez isso a mando de alguém. As prisões foram um passo tardio, mas importante. A solução definitiva do caso só ocorrerá quando responderem quem mandou matar. Essa é a nossa luta agora, a justiça para Marielle e Anderson só virá quando tivermos essa resposta."

Comentários