Mais Lidas

Base de rifle da Marinha americana está entre os 117 fuzis apreendidos na casa de amigo do PM reformado Ronnie Lessa

Foi a primeira vez que uma peça do fuzil M27 da Heckler & Koch (HK), fabricado exclusivamente para o corpo de fuzileiros navais dos Estados Unidos, foi apreendido no Brasil

Por Lucas Cardoso

Alexandre Mota de Souza guardava 117 fuzis em sua casa
Alexandre Mota de Souza guardava 117 fuzis em sua casa -

Rio - Entre os 117 fuzis desmontados que foram encontrados na casa de um amigo do PM reformado Ronnie Lessa, no Méier, está a base de um rifle da Marinha dos Estados Unidos. O arsenal, aliás, corresponde ao total de armas de grosso calibre apreendidas pelo 3º BPM (Méier) entre janeiro de 2011 e janeiro de 2019.

De acordo com Vinícius Cavalcante, perito em armas e diretor da Associação Brasileira de Profissionais de Segurança (ABSEG), foi a primeira vez que uma peça do fuzil M27 da Heckler & Koch (HK), fabricado exclusivamente para o corpo de fuzileiros navais americanos, foi apreendido. "Esse modelo é uma versão militarizada da HK416 de calibre 5,56 feita por solicitação da própria Marinha em 2018", explica.

Para Vinícius, a prática de usar peças sobressalentes de outras armas para montar um terceiro modelo de mesmo calibre é comum entre os traficantes de armas. "A utilização de peças de armas diferentes facilita o processo para eles, além de dificultar a identificação da procedência do armamento em uma possível apreensão feita pelas autoridades. Ou seja, é praticamente impossível saber de onde veio ou como chegou até aqui", explica.

Como foi fotografado separadamente, o especialista acredita que o chassi da M27 pode ter sido utilizado como base para a produção clandestina de outras peças."Traficantes já usam processos de produção que envolvem pegar uma matriz e replicá-la com impressoras 3D e tornos de comandos numéricos", diz.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários