Funcionário é flagrado por estagiária se masturbando dentro de prédio do MPF

Homem de 37 anos estava praticando o ato sexual na mesma sala em que estava com a estagiária

Por RAI AQUINO

Caso aconteceu em prédio do MPF no Centro do Rio
Caso aconteceu em prédio do MPF no Centro do Rio -

Rio - Policiais da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) do Centro do Rio prenderam em flagrante um homem de 37 anos que foi flagrado se masturbando dentro do prédio do Ministério Público Federal (MPF). Na manhã terça-feira, o auxiliar de serviços gerais R.F. foi pego por uma estagiária de 22 anos praticando o ato sexual próximo a ela, enquanto a jovem trabalhava em uma das salas.

De acordo com a titular da Deam, a delegada Ana Lucia Barros, o funcionário estava no local para fazer a limpeza da sala. "Ela estava assistindo uma videoaula e ele limpando a sala como de costume. Foi quando ela percebeu pelo reflexo do computador um movimento estranho, se virou e viu que ele estava se masturbando por cima da roupa, com o pênis ereto, olhando para ela", conta.

Diante da cena, a estagiária saiu correndo do local para pedir ajuda e o homem teria continuado o ato sexual. O setor de segurança do MPF acionou os policiais civis, que foram ao local para prendê-lo.

"Na delegacia, ele confessou o crime, pediu desculpas para ela e disse que estava arrependido", afirma a delegada Ana Lucia, dizendo que o funcionário é solteiro e não tem nenhum antecedente criminal.

O caso é investigado pela titular da Deam do Centro, a delegada Ana Lucia Da Costa Barros - Arquivo Pessoal

Audiência de custódia

Como o crime não prevê fiança, da Deam, o auxiliar de serviços gerais foi levado para o presídio de Benfica. Ele vai responder pelo crime de importunação sexual, que prevê até cinco anos de prisão. Até a tarde desta quarta ele aguardava a audiência de custódia.

"Como há uma prisão em flagrante, na audiência de custódia, o juiz pode converter essa prisão em preventiva ou conceder a liberdade com algumas restrições", diz a delegada.

Experiente na Polícia Civil, Ana Lucia Barros se diz ainda "muito estarrecida" ao lidar com casos como esse. Ela conta que na época em que era delegada assistente da 42ª (Recreio) já havia prendido dois homens que se masturbaram dentro de articulados do BRT Transoeste.

"Nessa época que a gente vive, ainda ter essa situação das mulheres sendo tratadas como coisas, esse abuso em via pública, na intimidade, de ela ser tão violada... isso ainda me causa muita estranheza. Há tanta informação, tanta divulgação na mídia e isso ainda acontece com tanta frequência" lamenta.

Funcionário demitido

Procurado pelo DIA, o Ministério Público Federal informou que o auxiliar de serviços gerais era terceirizado de uma empresa que presta serviço de limpeza e que ele foi demitido por justa causa antes de deixar o prédio do MPF, ainda na manhã de terça. 

"Outras medidas complementares também foram determinadas, tais como: a realização de reunião com a empresa contratada para imediatos ajustes e adequação da prestação dos serviços; o apoio da Coordenadoria de Gestão de Pessoas (CGP) à estagiária; a ciência do fato à Comissão de Gênero para eventuais sugestões de medidas complementares a serem adotadas para evitar novas ocorrências; a criação da Comissão de Prevenção e Enfrentamento a atos de Assédio; e a divulgação dos canais disponíveis na instituição para o relato de situações similares", o MPF disse, através de sua assessoria de imprensa.

O órgão ressalta ainda que "está alerta a qualquer acontecimento que venha a comprometer a integridade e bem-estar de todos que trabalham na unidade, solicitando sempre o encaminhamento de denúncias para providências".

Galeria de Fotos

Caso aconteceu em prédio do MPF no Centro do Rio Reprodução / Google Street View
O caso é investigado pela titular da Deam do Centro, a delegada Ana Lucia Da Costa Barros Arquivo Pessoal

Comentários