Câmara vota novo pedido de impeachment contra Crivella

Este já é o quinto pedido de impeachment contra o prefeito desde julho do ano passado

Por Maria Luisa de Melo

Câmara Municipal do Rio vota, nesta terça-feira. mais um pedido de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella
Câmara Municipal do Rio vota, nesta terça-feira. mais um pedido de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella -

Rio - A Câmara de Vereadores vota, nesta terça-feira, a nova proposta de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella (PRB). O requerimento de cassação foi protocolado pelo fiscal da Secretaria Municipal de Fazenda, Fernando Lyra Reys – que acusa crime de responsabilidade de Crivella ao favorecer as empresas OOH Clear Channel e JCDecaux durante renovação de contratos de mobiliários urbanos, em dezembro de 2018. Este já é o quinto pedido de impeachment contra Crivella desde julho do ano passado.

Cada vereador defende sua posição, enquanto manifestantes pró e contra Crivella ocupam as galerias da casa. Dos 51 vereadores da Câmara, 49 estão presentes; sendo assim, é necessário metade dos presentes para aprovar a abertura da investigação que pode culminar no impeachment.

O primeiro a discursar, antes do voto, foi o vereador Jairinho (MDB), que classificou a denúncia como inoportuna. "Nos momentos difíceis 'não é momento de condenações prévias'. É o momento de afago", disse.

Segundo Fernando William (PDT), a ilegalidade cometida pelo prefeito provocou prejuízo de quase 30 milhões aos cofres públicos e, ao ser interrompido diversas vezes por correligionários de Crivella, que acompanharam a votação, apontou para uma das visitantes e bradou: "Jaqueline te conheço". Com dedo em riste, acrescentou: "Safadona, picareta!!!"

Enquanto a votação não começa, Verônica Costa (MDB) discursou e desafiou os presentes. "O que eu tenho recebido de denúncias é absurdo. Ainda temos vereadores com dúvida sobre o processo de admissibilidade. Desafio algum de vocês a chegarem na sala vermelha de um hospital público e não encontrar cinco mortos. Isso é assassinato em massa!".

"Crivella, não se mexe em merenda escolar. Sabem qual a minha origem? Eu nasci numa comunidade, minha mãe é manicure. Com merenda escolar não se mexe!", completou a vereadora.

Comentários