Criminosos são presos por furto de cabos telefônicos

Autores do crime se passavam por funcionários de empresas para não levantarem suspeitas

Por O Dia

Autores dos furtos usavam roupas com cores parecidas a de empresas que distribuem o serviço
Autores dos furtos usavam roupas com cores parecidas a de empresas que distribuem o serviço -
Rio - Agentes da 17ª DP (São Cristóvão) prenderam três homens por integrarem uma quadrilha especializada em furtar material para distribuição de sinal de internet e telefone em bairros da Zona Norte do Rio. Segundo a empresa afetada pelos furtos, desde janeiro de 2019 foram registradas 36 queixas sobre o caso entre os bairros Vila Isabel e Tijuca.
De acordo com a Polícia Civil, esse tipo de furto normalmente é realizado por pessoas com conhecimento técnico no assunto, em regra, funcionários ou ex funcionários das empresas lesadas. Em algumas ocasiões  pessoas que trabalhavam nas empresas terceirizadas que prestam serviços técnicos a entidade de telefonia.
A ação dos criminosos era feita de maneira que não levantasse suspeitas sobre a fraude. Durante os furtos, os homens utilizavam carro de apoio técnico e uniformes com cores parecidas com as da empresa lesada. O veículo utilizado pelos autores do furto, um Volkswagen Polo Vermelho, foi localizado por policiais da 17ª DP na Ruas Silva e Pinto e Teodoro da Silva, além disso, foram obtidas as imagens da ação no local.

Galeria de Fotos

Autores dos furtos usavam roupas com cores parecidas a de empresas que distribuem o serviço Divulgação / Polícia Civil
Material utilizado na ação Divulgação / Polícia Civil
No vídeo, três homens participam do furto, um retira a escada de um veículo, o segundo sobe para pegar os fios e o terceiro espera no carro. Após a retirada do equipamento, os criminosos guardam a escada, embarcam e saem do local. 
Os envolvidos foram identificados como, Luciano da Silva, conhecido como Queimadinho, já autuada por furto do mesmo tipo de equipamento na região de Marechal Hermes, Cláudio Roberto Matos Anos, também com passagem na polícia pela mesma ocorrência e William Manhães Costa, ex-funcionário de uma empresa de telefonia e internet.
Esses equipamentos são revendidos a pequenas empresas de distribuição de internet ou empresas irregulares, em regra, em áreas dominadas pela milícia. Segundo o Titular da 17 DP, Dr. Hilton Alonso, foi pedido a prisão preventiva dos indiciados para evitar novas ações do grupo.
De acordo com as investigações, em 11 meses, a quadrilha causou prejuízo a aproximadamente quinze mil clientes, incluindo hospitais, órgãos públicos e bancos. Os autores foram presos na manhã de hoje durante ação para cumprimento de mandado de prisão. Eles estavam em casa no momento da captura.  

Comentários