Ao menos cem foram executados por Milícia de Itaboraí

Delegado responsável pelas investigações, Gabriel Poiava, disse que foram identificados 50 corpos desaparecidos desde janeiro de 2018. As famílias eram coagidas a não fazerem o registro de desaparecimento

Por RAFAEL NASCIMENTO

O promotor do Gaeco, Rômulo Santos Silva
O promotor do Gaeco, Rômulo Santos Silva -
Rio - Ao menos cem pessoas foram executadas pela milícia em Itaboraí e tiveram os corpos desaparecidos, segundo o Ministério Público. Os investigadores, agora, querem saber se o grupo paramilitar usava um cemitério clandestino para desovar os restos mortais das vítimas. Muitas famílias das vítimas assassinadas pela milícia foram coagidas a não divulgarem ou denunciarem os assassinatos.
O delegado responsável pelas investigações, Gabriel Poiava, informou que apesar dos desaparecimentos, as famílias não procuravam fazer o registro. "Identificamos ao menos 50 corpos desaparecidos de janeiro de 2018 até agora", diz. 
Mãe de Renatinho Problema recolhia parte dos lucros da milícia em Itaboraí para o filho

Os crimes aconteciam à luz do dia em Itaboraí. "Muitos dos mortos eram desafetos da quadrilha ou apenas usuários de drogas", acrescenta o promotor Rômulo Santos Silva,do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco). 
A migração da milícia para o município foi identificada em junho de 2018, explica Rômulo. "Identificamos um alto índice de homicídios contra rivais (traficantes)". 
A milícia utilizou armas e estrutura do miliciano Orlando Curicica para entrar no município, explica o delegado Gabriel Poiava. Com o auxílio de outros criminosos, houve um aumento de mortes na região. "Para dificultar a investigação, eles criaram um cemitério clandestino para esconder os corpos", diz o delegado. O grupo também expulsava moradores simpáticos ao tráfico.

"Durante as investigações identificamos coações de familiares para que eles não denunciassem a morte. A população estava oprimida", acrescenta Poiava.
A milícia que foi alvo da operação deflagrada nesta quinta-feira pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro cometeu ao menos 50 assassinatos em Itaboraí desde janeiro de 2018. São cumpridos mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão contra 77 acusados de integrar o grupo.

Durante a operação, foram cumpridos 42 dos 74 mandados de prisão expedidos. Desses, 25 foram contra criminosos que já estavam presos e continuavam a participar da organização, inclusive cooptando novos membros entre os detentos do sistema penitenciário. Entre os 93 mandados de busca e apreensão, alguns foram cumpridos em celas, onde foram encontrados materiais como celulares e anotações contábeis.

Entre os denunciados, há quatro policiais militares da ativa e dois ex-policiais militares. Um dos presos, que se identificava como policial apesar de não ser da corporação, tinha acesso a dados internos da polícia e chegava a circular com viaturas oficiais, o que está sendo investigado pela Corregedoria da Polícia Civil.

Segundo o promotor, a milícia foi implantada em Itaboraí como uma "franquia" do grupo liderado por Orlando Curicica, que atua na Zona Oeste do Rio. Os criminosos foram atraídos pelo possível crescimento que a cidade terá com a retomada dos investimentos no Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj). Milicianos cobravam taxas de funcionários contratados pelo Comperj, segundo promotor.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários