Projeto libera táxis nas pistas exclusivas do BRT e da Avenida Brasil

Proposta segue para sanção do prefeito Marcelo Crivella. Consórcio alerta para risco de acidentes graves

Por *Luana Dandara

Ideia é substituir o BRT pelo monotrilho sem usar dinheiro do Estado
Ideia é substituir o BRT pelo monotrilho sem usar dinheiro do Estado -
Um projeto de lei aprovado nesta terça-feira, na Câmara dos Vereadores, libera a circulação de táxis nas faixas exclusivas do BRT e da Avenida Brasil. Com 50 votos favoráveis, os vereadores definiram que os amarelinhos precisarão estar com passageiros e taxímetro ligado. Também não vão poder parar para embarque e desembarque nas vias. Para o consórcio BRT, a resolução acarreta riscos de acidentes graves.
"Nosso objetivo é o de melhorar a fluidez do trânsito, dando maior mobilidade aos usuários desse modal e desafogando as vias principais. Quem usa o táxi tem pressa", destaca a vereadora Vera Lins (PP), autora do projeto. "Era uma demanda dos taxistas e os favorece em relação aos aplicativos de transporte", acrescenta.
O projeto segue agora para a avaliação do prefeito Marcelo Crivella, que tem o prazo de 15 dias para sancionar ou vetar. Segundo o BRT, o consórcio não foi consultado e o aviso prévio para esse tipo de medida seria fundamental para um planejamento de orientação tanto dos motoristas dos ônibus articulados quantos dos demais.
A vereadora afirma que, desde junho de 2017, os táxis já têm autorização para transitar em alguns trechos do BRT Transcarioca. O consórcio, entretanto, alerta que foi revogado por conta de acidentes. ""Tivemos diversos acidentes com veículos comuns na pista exclusiva. O tráfego nesse tipo de pista requer treinamento, principalmente nos trechos que envolvem saída dos veículos das plataformas e cruzamentos. Além disso, a essência do BRT é justamente levar o passageiro de forma mais rápida e segura, em pista segregada e exclusiva. Permitir o trânsito de outros veículos na calha é a contramão da mobilidade urbana", diz a nota do BRT.

"Durante esse período, não tomei conhecimento de nenhum acidente. Já conversei de maneira informal com o prefeito e acredito que ele aprove", rebate Vera.
O especialista em transportes Paulo Cezar Ribeiro, da Coppe/UFRJ, acredita que é preciso fazer uma simulação para verificar o fluxo nas vias, antes de a medida ser implementada. "É necessário avaliar a segurança e também a fluidez do trânsito. Uma vez esses táxis entrando nessas vias, que não têm congestionamentos, eles não podem sair desde que seja em cruzamentos e pontos específicos", ressalta.
Operação Galeão
Na segunda-feira, a prefeitura deu uma autorização temporária para os táxis trafegarem na parte do corredor Transcarioca que dá acesso ao Aeroporto Galeão. O objetivo é dar maior fluidez ao trânsito após a transferência de voos do Santos Dumont. A medida é válida para todos os dias e horários, até a conclusão das obras no Santos Dumont, prevista para 21 de setembro.
*Estagiária sob supervisão de Marcelo Senna. Colaborou Waleska Borges

Comentários