Ex-morador de rua lança livro amanhã na Bienal

Léo Motta contou em "Há vida depois das marquises" a sua história de superação

Por Waleska Borges

Léo Motta fez uma palestra que contou com a participação de 50 moradores de rua
Léo Motta fez uma palestra que contou com a participação de 50 moradores de rua -
Rio - O ex-morador de rua e ex-dependente químico, Léo Motta, de 38 anos, que transformou sua experiência vivendo nas ruas do Rio no livro “Há vida depois das marquises”, fará o lançamento do título amanhã, às 15h, na Bienal Internacional do Livro, no Riocentro. Na ocasião, Léo Motta fará uma palestra que terá a participação de 30 pessoas em situação de rua na cidade.
De acordo com o escritor, os moradores de rua serão levados à Bienal pela Unidade de Reinserção Social (URS) Rio Acolhedor. Cada um deles vai receber um roucher que poderá ser utilizado na compra de livros. Uma ex-professora de Léo Motta, da época da sua infância, quando ele estudou na Escola Municipal Carvalho Mourão, em Cordovil, vai participar do lançamento do livro.
"Estou muito orgulhoso. Quero mostrar para os meus irmãos de rua que não é preciso morrer no final da história. Eu estive na mesma calçada que eles estão, mas existe um caminho para saída", disse Léo Motta.
No início do mês de agosto, o ex-morador de rua foi recebido no Palácio Guanabara pelo governador Wilson Witzel. Ele também participou de uma reunião com Cleiton de Souza Rodrigues, secretário de Governo e Relações Institucionais. A história de superação de Léo Motta foi relatada, no último dia 02 de agosto pelo Jornal O Dia. Na ocasião, ele e outros moradores de rua rechaçaram a internação forçada proposta por Witzel.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários