Fim dos testes com animais? Laboratório de pele humana entra em funcionamento no Rio

Local fica no campus do Fundão da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Por REVISTA PLANETA

Laboratório de pele humana entra em funcionamento no Rio
Laboratório de pele humana entra em funcionamento no Rio -

O Rio de Janeiro ganhou, nesta segunda-feira (9), seu primeiro laboratório de produção de pele humana para testes.

O laboratório é uma filial da Episkin, empresa subsidiária da gigante de cosméticos L’Oréal, e fica no Centro de Pesquisa e Inovação, no campus do Fundão da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O objetivo do laboratório é fornecer amostras de pele para testes de produtos, como alternativa ao uso de animais. Segundo reportagem do G1, as amostras são produzidas a partir de fragmentos de pele descartados em cirurgias plásticas, doados com o consentimento dos pacientes.

Da pele doada, são extraídos queratinócitos, as principais células da epiderme, onde elas são multiplicadas sobre uma membrana de plástico, formando as camadas da pele.

A pele produzida no laboratório reage a diferentes estímulos, como a agentes químicos, luz e estresse, e pode, por exemplo, servir para que a segurança de químicos cosméticos sejam testados.

Segundo Rodrigo De Vecchi, diretor-presidente da Episkin Brasil, a cada semana são produzidos milhares de tecidos de pele e epitélios, como córnea, com um rigoroso controle de qualidade.

A UFRJ já colabora com a Episkin há sete anos. A filial do Rio é a terceira da rede, que já tem laboratórios em Lyon, na França, e em Xangai, na China.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários