Polícia Civil confirma laudo da perícia do MP sobre o diálogo do porteiro do condomínio de Bolsononaro

Documento, assinado por seis peritos, também atesta que o áudio da portaria não sofreu qualquer tipo de edição e que a pessoa que autorizou a entrada de Élcio no condomínio foi o policial reformado Ronnie Lessa

Por O Dia

Condomínio Vivendas da Barra
Condomínio Vivendas da Barra -
Rio - A Polícia Civil concluiu que a voz do porteiro que efetivamente liberou a entrada do ex-PM Élcio de Queiroz no condomínio Vivendas da Barra, no dia do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, não é a do funcionário que mencionou o presidente Jair Bolsonaro aos investigadores da Delegacia de Homicídios (DH). O documento, assinado por seis peritos, também atesta que o áudio da portaria não sofreu qualquer tipo de edição e que a pessoa que autorizou a entrada de Élcio no condomínio foi o policial reformado Ronnie Lessa.
A informação foi publicada nesta terça-feira no jornal O Globo. A Polícia Civil informou que o caso corre sob sigilo. O Ministério Público não comentou o laudo da polícia.
No ano passado, o laudo do MP foi questionado devido ao curto prazo que foi confeccionado, mas o laudo elaborado por seis peritos da Polícia Civil confirmou o teor do laudo anteriormente elaborado pela diretora da DEDIT, da Coordenadoria de Segurança e Inteligência do Ministério Publico (CSI/MPRJ), Maria do Carmo Gargaglione, por meio do qual foi atestado que a voz era do PM reformado Ronie Lessa e que o mesmo havia liberado a entrada do Ex-PM Elcio de Queiroz no condomínio no dia do crime. Também foi confirmado que a gravação era íntegra, ou seja, não havia edição, cuja suspeita de manipulação, à época levantada por alguns peritos, acabou não se confirmando, nos termos do próprio laudo elaborado pela Polícia Civil.
O presidente Jair Bolsonaro comemorou, nesta terça-feira, a revelação do resultado do laudo da Polícia Civil do Rio. "Viu que a perícia descobriu? A voz não é do porteiro!", disse na saída do Palácio da Alvorada.
Em novembro do ano passado, o porteiro do condomínio Vivendas da Barra recuou em depoimento prestado à Polícia Federal, e afirmou que o registro de entrada de Elcio Queiroz na casa 58, do presidente Jair Bolsonaro, na planilha de controle do condomínio foi um erro. O funcionário disse que havia se sentido "pressionado" quando deu sua primeira versão, na qual a entrada do suspeito de matar Marielle Franco foi autorizada pelo "Seu Jair".
O Ministério Público do Rio afirmou em coletiva de imprensa no dia seguinte à reportagem que "o porteiro (do condomínio do presidente Jair Bolsonaro) mentiu" ao dizer que Élcio de Queiroz foi autorizado a entrar no local com a permissão de alguém da residência do presidente. Élcio foi ao condomínio horas antes de matar a vereadora Marielle Franco para encontrar outro envolvido no crime, Ronnie Lessa, que também possui residência no mesmo condomínio da Barra da Tijuca.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários