PL Ágatha: Alerj vota projeto que pede prioridade nas investigações de assassinatos de crianças

Apenas no mês de janeiro deste ano, quatro crianças, de 5 a 11 anos, foram baleadas

Por O Dia

Ágatha Félix, de 8 anos, foi morta em setembro deste ano, no Complexo do Alemão
Ágatha Félix, de 8 anos, foi morta em setembro deste ano, no Complexo do Alemão -
Rio - Deputados votarão nesta quinta-feira, na Assembleia Legislativa do Rio, o projeto de lei de número 1622/2019, que pede prioridade nas investigações de crimes que resultam em morte de crianças e adolescentes no Estado do Rio. O projeto de lei Ághata, como vem sendo chamado, é de autoria da deputada Renata Souza, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alerj, e foi motivado pelo assassinato da menina Ágatha Félix, de 8 anos, moradora do Complexo do Alemão.

"É um projeto muito simples e objetivo. Ele dispõe sobre a prioridade de tramitação sobre procedimentos investigatórios em crimes que resultam na morte de crianças e adolescentes. Com o caso de Ágatha Félix, nós vimos o quanto é necessário que essas ocorrências tenham uma investigação prioritária, afinal de contas, várias operações policiais têm vitimado crianças e adolescentes. O governador Wilson Witzel precisa apresentar um plano para reduzir riscos aos moradores das favelas e periferias durante operações policiais", disse Renata Souza.
Mais de 24 crianças foram baleados no Rio em 2019

Apenas no mês de janeiro deste ano quatro crianças, de 5 a 11 anos, foram baleadas. Uma delas, Anna Carolina Neves, de 8 anos, foi atingida na cabeça quando assistindo televisão com o pai no sofá de casa, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

Além deste caso, o Rio teve, em 2019, pelo menos outras 8 mortes, de conhecimento público, de crianças e adolescentes vitimizadas letalmente: Jenifer Silene Gomes, 11 anos; Kauã Vítor Nunes Rozário, 11; Kauã Peixoto, 12; Victor Almeida, 7; Kauê Ribeiro dos Santos, 12; Dyogo Costa Xavier de Brito, 16; Margareth Teixeira,17; e um bebê morto na barriga da mãe em Padre Miguel. Somente um destes casos teve seu inquérito concluído.

Comentários