Megaoperação mira criminosos envolvidos em vários tipos de roubo na Baixada

Ação acontece em todos os municípios da região e envolve 19 delegacias do Departamento Geral de Polícia da Baixada e a Divisão de Capturas da Polinter

Por THUANY DOSSARES e RAI AQUINO

Presos foram levados para a Cidade da Polícia
Presos foram levados para a Cidade da Polícia -
Rio - A Polícia Civil fez, desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira, a Operação Espoliador II, para cumprir dezenas de mandados de prisão contra criminosos envolvidos em diversos tipos de roubos. A ação envolveu 19 delegacias do Departamento Geral de Polícia da Baixada (DGPB), além da Divisão de Capturas da Polinter (DC-Polinter), e acontece em todos os municípios da região.
A operação também mirou receptadores, que são responsáveis pela aquisição dos produtos roubados. Até o momento, 82 pessoas foram presas e um suspeito morreu ao entrar em confronto com os agentes.
Dentre os capturados está o dono de uma loja de celulares de Nilópolis, que comercializava aparelhos que eram fruto de roubos de cargas da quadrilha. Ele foi preso por agentes da 57ª DP (Nilópolis).
"A gente pega essas mercadorias que são roubadas e tenta identificar quais são os estabelecimentos comerciais que acabam comprando essas cargas e fazendo a comercialização indevida desses produtos", explicou o delegado Felipe Curi, diretor do DGPB, sobre as apurações dos crimes.
As investigações apontaram que boa parte dos roubos praticados pelo bando são fomentados por traficantes de comunidades da Baixada. Para aumentarem os lucros, eles emprestam armas para o roubo de cargas, de veículos, a transeuntes, a residências, instituições financeiras e a estabelecimentos comerciais.

Galeria de Fotos

Presos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Presos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Presos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Presos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Presos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Presos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Presos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Parte do material apreendido na ação Divulgação / Polícia Civil
Ainda segundo o delegado, com as prisões de hoje,  a polícia consegue evitar, pelo menos, 10 roubos por semana que poderiam ser cometidos por cada suspeito.
"Também é importante ressaltar que cada roubador que age armado e com uso de grave ameaça é um latrocida (quem mata durante assaltos) em potencial. Então também estamos salvando vidas", reforçou.
Essa é a segunda fase da operação. Em outubro do ano passado, todas as delegacias da Baixada também realizaram uma megaoperação contra assaltantes da região e mais de 60 criminosos foram presos na ocasião.
"Mapeamos os alvos ao longo dos últimos cinco meses. Na primeira edição, todos eram roubadores. Agora, além deles, também focamos os receptadores", disse Curi.
As investigações descobriram ainda que em Belford Roxo, os roubos são cometidos, principalmente, por criminosos das comunidades Gogó da Ema, Santa Tereza e Parque São José. Já em Duque de Caxias, os assaltantes são oriundos, em sua maioria, do Corte 8 e Mangueirinha.
O delegado aponta que, em 2019, 3.249 ladrões foram indiciados pelas delegacias da Baixada, o que representou um aumento de 46,35% em relação a 2018. Além disso, 609 suspeitos de envolvimento com esse tipo de crime foram presos, um aumento de 185,91% em relação ao ano anterior, conforme O DIA noticiou no dia 2 de fevereiro.
Durante a operação de hoje, houveu uma intensa troca de tiros por volta das 6h30, no Complexo do Chapadão, em São João de Meiriti; confira!

Comentários