Ora que Melhora

No Dia Mundial da Oração, cariocas fazem pedidos pelo fim da violência e pedem proteção contra o coronavírus

Por

Ei, você está com algum problema? Pode ser financeiro, de saúde, de amor. Ou seu infortúnio é com as questões políticas do país ou até mesmo com o coronavírus? Então, peça uma ajudazinha do céu. Aproveite, hoje, Dia Mundial da Oração, para conversar com Deus. O DIA foi à rua e quis saber do morador do Rio: "E você está orando para quê?".

Na visão de muitas pessoas, o Rio precisa mesmo é de paz e menos violência. É assim que pensa Iara Alves, de 38 anos. Ontem, no momento do intervalo do trabalho, no Centro, ela procurou a Igreja de São Francisco de Paula para reforçar os seus pedidos e agradecimentos. "O mundo está precisando muito de amor e menos violência", pediu.

Mãe de seis crianças, entre 2 e 14 anos, a doméstica Monique de Paula, de 31, ora pelos filhos e pela melhoria das condições de vida do povo. "Está muito difícil conseguir dinheiro para levar para casa", reclamou.

Já o entregador de lanches Alexander da Silva, de 49, revelou que tem muita fé em Deus e atualmente faz muitos pedidos para aqueles que sofreram com as enchentes dos últimos dias. "Elas perderam tudo. Temos que contar com a providência de Deus. Ele já me livrou de várias coisas", contou ele, que anda com um crucifixo pendurado na mochila.

Os desabrigados do temporal também preocupam a aposentada, Leni Rita, de 73, que faz bico segurando placas no Centro. "Oro para que nossos governantes tenham sabedoria na hora de decidir".

Já aposentada Leyde Dias, de 65, que foi à Igreja de São Francisco de Paula, ontem, acompanhada do filho Marcelo Dias, de 42, costuma orar por seus amigos e familiares. Questionada se tem alguma oração especial pela cidade, ela é direta: "Não peço nada. Isso eu deixo nas mãos do prefeito", disse, entre risos.

Comentários