Esquecidos do Guandu: série mostra carência de saneamento básico nas áreas rurais

Na Bacia do Rio Guandu, cerca de 70 mil pessoas dessas áreas vivem sem estrutura para água potável e descarte de detritos. Por dia, são jogados no complexo hidrográfico o equivalente a quatro piscina olímpicas de esgoto sem tratamento

Por Bernardo Costa

Ligação de água e esgoto da casa de Maria de Lourdes (na foto, com a neta) vão juntas para a fossa no quintal
Ligação de água e esgoto da casa de Maria de Lourdes (na foto, com a neta) vão juntas para a fossa no quintal -

Na casa de dona Maria de Lourdes, de 71 anos, no Coletivo Santa Alice, em Seropédica, a ligação de água e esgoto vão juntas para o mesmo lugar: uma fossa no terreno. "Onde deságua, não sei. Acho que a terra chupa tudo", diz. A realidade é comum à grande parte dos moradores de 40 áreas rurais de 15 cidades da Bacia do Rio Guandu, que, esquecidos pelo poder público, buscam por conta própria maneiras para descartar o esgoto e obter água para sobreviver. "Em todas as casas daqui é assim", diz dona Maria, que mostra um buraco no terreno com canos encobertos pelo mato.

A reportagem de O DIA percorreu alguns desses locais e começa hoje a série 'Esquecidos do Guandu' contando a dura realidade dos moradores de Santa Alice. Sem solução adequada de saneamento nas áreas rurais, onde estão a nascente e os afluentes do Guandu, os poluentes chegam in natura às águas do rio, que abastece nove milhões de cidadãos fluminenses.

O projeto Saneamento Rural, do Comitê Guandu-RJ, estima que 70 mil pessoas vivam nessas regiões, que descartam na Bacia Hidrográfica do Guandu aproximadamente quatro piscinas olímpicas de esgoto por dia. Técnicos do colegiado estão percorrendo essas áreas para elaborar um diagnóstico e plano de obras para ajudar as prefeituras a minorar o problema. A previsão é que os relatórios do projeto sejam apresentados aos municípios em fevereiro de 2021.

Rosa Ferreira com o filhos no comércio que fica em frente ao córrego onde o esgoto do bairro é despejado - Cléber Mendes

"As zonas rurais, que são formadoras de rios, foram esquecidas nos projetos de saneamento. Se levarmos tratamento de esgoto para essas áreas, vamos melhorar de forma relevante a qualidade da água que chega ao Guandu", explica a engenheira ambiental Daiana Gelelete, especialista em recursos hídricos da Agevap, o braço técnico do Comitê Guandu-RJ.

Dona Maria de Lourdes e seu marido bebem água de poço escavado no terreno. "Sempre foi assim. Agora, a água está escasseando. Temos que comprar carros-pipa toda semana", queixa-se dona Maria.

Segundo Jorge Félix de Oliveira, de 65 anos, a água do poço é boa. Quanto à fossa para o esgoto, ele conta que fica em um ponto mais afastado do terreno: "É um buraco no chão. Depois, vai tudo para o córrego que fica ali na frente. Deve dar no Guandu".

O córrego fica em frente à barraca de Rosa Ferreira, de 50 anos. Para ela, a proximidade do curso d'água onde é despejado o esgoto afasta os clientes: "Esses dias, apareceu um rato grande aqui. Atrapalha a gente. Podem pensar que não temos higiene, mas é o esgoto. A culpa não é nossa".

Filho de Rosa, Adriano Araújo, de 28 anos, se queixa da dificuldade para estudar. "Isso porque os ônibus não passam e não temos internet. Quando chove, ficamos ilhados. Temos pouca iluminação e a coleta de lixo é deficitária. Somos obrigado a queimar os detritos. Sei que é errado, mas não temos alternativa", acrescenta.

Rio,07/02/2020- SEROPEDICA,Baixada Fluminense,Bairro Santa Alice, Especial,Despejo de esgoto in natura na Bacia do Rio Guandu,na foto.empresa Brasilit .Foto: Cleber Mendes/Agência O Dia - Cléber Mendes

Contraste com as indústrias 

Mesmo sem saneamento, o Coletivo Santa Alice abriga grandes indústrias. "Dizem que uma delas furou 12 poços. Nossa água está falhando", disse um morador que não quis se identificar.

A empresa a que se refere é a BRF, detentora das marcas Sadia e Perdigão. A companhia diz que tem seis poços artesianos perfurados com autorização do Inea e aguarda a permissão para colocá-los em funcionamento. A BRF informou que utiliza água de empresa terceirizada, e que o esgoto e resíduos da construção são recolhidos por uma empresa licenciada por órgãos municipais e estaduais.
Apesar do receio com as mudanças, moradores agradecem a pouca infraestrutura que chegou com as empresas. "O pavimento e a iluminação pública é por causa delas. A prefeitura não faz melhorias aqui", diz Anderson Araújo.
 
Outras empresas locais são a Panco, que não respondeu à reportagem, e a Brasilit, que informou tratar o esgoto em estação construída no local, e que utiliza água de carros-pipa, com abastecimento complementar por poço.
 
O córrego que recebe o esgoto in natura das casas do Coletivo Santa Alice - Reprodução
 
Prefeitura e Cedae anunciam investimentos
 
A Prefeitura de Seropédica informou que pretende investir R$ 40 milhões em obras de saneamento. Sobre a falta de iluminação, disse que mantém conversações com a Light. "A coleta de lixo em Santa Alice é feita uma vez por semana. Já a carência de ônibus é provocado pelo desinteresse das empresas em atender a região, que tem poucos moradores", diz Samuel Barbosa, subsecretário de Comunicação, Turismo e Eventos do município.

Já a Cedae disse que possui um projeto para o abastecimento do Coletivo Santa Alice, que será revisto devido ao crescimento populacional da região. A companhia disse, ainda, que irá ampliar os investimentos em saneamento com o modelo de concessão, que está em elaboração. Segundo a Cedae, estão previstos investimentos da ordem de R$ 32 bilhões.
 
Entrevista: Daiana Gelelete, especialista em recursos hídricos da Agevap
 
O projeto Saneamento Rural é realizado pelo Comitê Guandu-RJ e Agevap, com apoio da Profill Engenharia. Os 15 municípios estudados são Barra do Piraí, Engenheiro Paulo de Frontin, Itaguaí, Japeri, Mangaratiba, Mendes, Miguel Pereira, Nova Iguaçu, Paracambi, Piraí, Queimados, Rio Claro, Rio de Janeiro, Seropédica e Vassouras.

Qual é o objetivo do projeto?

Daiana Gelelete - Estamos na fase de visitas e diagnóstico. Depois, vamos elaborar planos de ação para a realização de obras de esgotamento sanitário e entregá-los às prefeituras. Num terceiro passo, vamos disponibilizar recursos próprios do Comitê.

Qual é a realidade das regiões?

Quando as populações são ribeirinhas, ligam o esgoto direto nos cursos hídricos. Quando não, a ligação é feita na rede de águas pluviais das cidades, que também vão desembocar nos rios.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Ligação de água e esgoto da casa de Maria de Lourdes (na foto, com a neta) vão juntas para a fossa no quintal Cléber Mendes
Rio,07/02/2020- SEROPEDICA,Baixada Fluminense,Bairro Santa Alice, Especial,Despejo de esgoto in natura na Bacia do Rio Guandu,na foto. Andre de Araujo, Anderson de Araujo e Rosa Ferreira .Foto: Cleber Mendes/Agência O Dia Cléber Mendes
Sede da empresa Brasilit, no Coletivo santa Alice, em Seropédica. Foto: Cleber Mendes/Agência O Dia Cléber Mendes
Rio,07/02/2020- SEROPEDICA,Baixada Fluminense,Bairro Santa Alice, Especial,Despejo de esgoto in natura na Bacia do Rio Guandu. Na foto o córrego que corta a Estrada Santa Alice, no Coletivo Santa Alice Reprodução

Comentários