Rio terá epidemia de coronavírus em quatro semanas, prevê Secretaria de Saúde

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estimou que o país viverá cerca de 20 semanas 'duras' por causa do surto

Por O Dia

Secretário estadual de Saúde, Edmar Santos
Secretário estadual de Saúde, Edmar Santos -
Rio - O secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, prevê que a crise mais intensa do coronavírus no Rio aconteça entre 2 e 4 semanas. Em seguida, com a chegada do inverno, a epidemia deve se estender até completar cinco meses, quando o contágio deve começar a diminuir. Na quarta-feira, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estimou que o país viverá cerca de 20 semanas "duras" por causa do surto.

Galeria de Fotos

11/03/2020 - Libertadores da America - FLAMENGO x BARCELONA SC ( EQU ) - Fase de grupos, Grupo A, Rodada 2 de 6. Estadio Maracana, Rio de Janeiro, RJ. Torcida, mascara, coronavirus. Foto: Daniel Castelo Branco / Agencia O Dia Daniel Castelo Branco / Agencia O Dia
11/03/2020 - Libertadores da America - FLAMENGO x BARCELONA SC ( EQU ) - Fase de grupos, Grupo A, Rodada 2 de 6. Estadio Maracana, Rio de Janeiro, RJ. Torcida, mascara, coronavirus. Foto: Daniel Castelo Branco / Agencia O Dia Daniel Castelo Branco
Ainda não se sabe ao certo quanto tempo o vírus permanece no corpo após a morte de um doente infectado Mauricio Bazilio / SES
Divulgação
Coronavírus Agência Brasil
Secretário Estadual de Saúde, Edmar Santos: '80% dos casos serão uma gripe comum' Luciano Belford / Agência O Dia
O resultado para saber se a paciente tem o novo coronavírus deverá sair em até 72 horas Warley de Andrade/TV Brasil
Passageiros desembarcam no Aeroporto do Galeão com máscaras Cleber Mendes
Máscaras estão sendo usadas em todo o mundo Cléber Mendes
Rio,05/02/2020-AEROPORTO DO GALEAO,surto de coronavirus, desembarque de coreanos no aeroporto do Galeao,na foto.grupo de coreanos .Foto: Cleber Mendes/Agência O Dia Cléber Mendes
Secretário Estadual de Saúde, Edmar Santos: '80% dos casos serão uma gripe comum' Ricardo Cassiano/Agência O Dia
"As secretarias municipais e estadual vão acelerar o processo de preparação para a crise, que deve começar provavelmente daqui a 2 ou 4 semanas de uma maneira mais intensa", disse o secretário estadual saúde do Rio em entrevista ao programa Bom Dia Rio, da TV Globo.
"A gente está trabalhando com horizonte de 4 mil a 10 mil casos aqui no Rio de Janeiro. E pra isso a gente tem se preparado, vamos abrir de 300 a 600 leitos novos. A rede privada está organizada com a gente. Vamos fazer um enfrentamento comprometido".
A pasta estadual confirmou na manhã desta quinta-feira os dois primeiros casos de transmissão local do coronavírus no Rio de Janeiro. Até então, os contaminados no estado haviam se infectado durante viagens à Europa.
"Passamos para o nível 1 do Plano de Contingência e aceleramos o processo de preparação para o pico da epidemia, que prevê a disponibilidade de 206 leitos exclusivos para tratamento de casos graves de pessoas infectadas em hospitais espalhados pelas diversas regiões, incluindo unidades municipais e federais, além da rede estadual", explicou o secretário. 
O secretário alerta que não há motivo para pânico. O vírus não está circulando livremente, mas de uma maneira localizada. A primeira transmissão no Rio aconteceu em um congresso médico. O homem de 72 anos contraiu o vírus no evento e contaminou a esposa. Os dois estão em isolamento domiciliar e apresentam estado de saúde estável.
A recomendação do secretário de Saúde é de que as pessoas mais sensíveis ao vírus mudem os hábitos e evitem locais com aglomerações de pessoas, como metrôs, trens, cinemas e estádios de futebol. As pessoas mais sensíveis são: idosos acima de 60 anos, pessoas com doenças cardíacas ou pulmonares. "Entre 80% e 85% dos casos serão uma gripe comum", disse o secretário.

Comentários