Anvisa questiona uso de túnel de desinfecção em São Gonçalo

Órgão alega que eficácia do processo não é comprovada e processo ainda pode causar reações alérgicas

Por Maria Clara Matturo*

Túnel de desinfecção em São Gonçalo
Túnel de desinfecção em São Gonçalo -

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) questionou a eficácia do túnel de desinfecção, que começou a funcionar, ontem, na entrada do Pronto-Socorro Central de São Gonçalo. De acordo com o órgão, não há, até o momento, comprovação da utilidade do produto aplicado, o quartenário de amônia de 5ª geração, usado na China para combater o coronavírus, segundo informou a assessoria da Prefeitura de São Gonçalo. 

O túnel despeja, por 15 segundos, a substância que a Anvisa reforça na nota: "Não foram encontradas evidências científicas no combate ao Sars-CoV-2, além de poder causar efeitos adversos à saúde". Apesar do alerta, o produto não é proibido. Segundo a Organização Social InSaúde, que administra a unidade, "essa é mais uma ação que visa colaborar no combate à covid-19".  

A prefeitura informou que o equipamento "pode ser atualizado à medida que novas informações estiverem disponíveis". Conforme a Secretaria Estadual de Saúde, atualmente, São Gonçalo é a quarta cidade do estado com mais casos da covid-19, com 575 diagnósticos confirmados e 53 mortes.

* Estagiária sob supervisão de Bete Nogueira 

Comentários