Mulher de Queiroz disse que só sairia do Rio para não ser presa

Márcia de Oliveira Aguiar é procurada pela polícia por envolvimento no esquema da 'rachadinha' no gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro na Alerj

Por iG

Márcia Oliveira de Aguiar está foragida da Justiça
Márcia Oliveira de Aguiar está foragida da Justiça -
Rio - A esposa de Fabrício Queiroz, Márcia de Oliveira Aguiar, disse em uma troca de mensagens que só sairia do Rio caso estivesse com a prisão decretada, segundo investigação do Ministério Público estadual (MPRJ). O casal atuou no gabinete de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), quando o filho do presidente Jair Bolsonaro era deputado estadual.

Márcia é considerada como foragida pela Justiça desde quinta-feira, dia em que Queiroz foi preso preventivamente em Atibaia, no interior de São Paulo. O ex-assessor estava em um imóvel que pertence a Frederick Wassef, que atuou por anos como advogado da família Bolsonaro.

Tanto Queiroz quanto a esposa estão sendo investigados por suspeitas de participarem de um suposto esquema de "rachadinha" na Alerj, em que parte dos servidores devolvem os salários.

"Mais [sic] só se estivéssemos com prisão decretada. Sabe que isso será impossível né? Mais [sic] vamos aguarda [sic]", disse Márcia por mensagem às 11h58 do dia 24 de novembro de 2019, segundo relatório encaminhado pelo MPRJ à 27ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça, que autorizou a operação.

LEIA MAISWassef acredita que Queiroz não vá fazer delação premiada

Por meio de mensagens, Queiroz perguntava a esposa sobre a possibilidade de ela deixar o Rio e seguir para São Paulo, onde o ex-assessor estava.

"Está na casa do anjo?", perguntou Márcia. "Estamos", disse Queiroz. "Ele falou alguma coisa?", perguntou. "Querendo mandar para [sic] todos para São Paulo se agente [sic] não ganhar. Aquela conversa de sempre".

Márcia considerou como "exagero" em um primeiro momento morar em São Paulo. "Não vamos entrar no mérito agora", disse Queiroz, em resposta à esposa.

LEIA MAISPrisão de Queiroz servirá de base para primeira denúncia contra investigados

Na sequência, Márcia disse que só consideraria a possibilidade caso tivesse prisão decretada.

As investigações apontam que o casal estaria recebendo instruções de alguém identificado como "anjo", apelido a Wassef. Mas em entrevista concedida para CNN e Folha de São Paulo, o advogado negou que escondeu Queiroz em seu imóvel e chegou a dizer que não é o "anjo".

Comentários