Ofensa a servidor pode dar cadeia

Criminalista conta eventuais trangressões para quem desrespeita funcionário do estado e faz alerta. "Sugeriria que vá acompanhado da PM", aconselha

Por Gabriel Sobreira

Vídeo das ofensas do casal repercutiu na Internet
Vídeo das ofensas do casal repercutiu na Internet -

Ofender agente público, como no episódio entre a engenheira química Nívea Valle Del Maestro e um funcionário da Vigilância Sanitária que fiscalizava bares e restaurantes, pode implicar em vários crimes, segundo o advogado criminalista Carlos Maggiolo. "O crime direto, que imediatamente os fatos nos remete, é o de desobediência, previsto no art. 330 do Código Penal, cuja pena de detenção pode variar de 15 dias a 6 meses", explica.

"Infelizmente o Superior Tribunal de Justiça praticamente revogou o crime de desacato, que cairia como uma luva para esses casos, pois a pena seria mais severa, de seis meses a dois anos", avalia Maggiolo.

No episódio do agente público ofendido pela engenheira, que acabou sendo demitida da empresa onde trabalhava, o caso não foi registrado. "Tem ameaça — ele sendo cercado e agredido verbalmente —, injúria e desobediência. Ele não registrou ocorrência porque não quis", esclarece o professor.

'Ela sempre foi assim'

Uma pessoa próxima a Nívea Maestro diz que não se surpreendeu com a atitude dela: "Sempre foi assim, sempre destratou as pessoas. Desejo que ela aprenda a tratar melhor as pessoas".

No Twitter, o internauta Marco Guimarães postou: "Nívea estudou comigo na Uerj. Ela e o marido dão um exemplo recorrente de incivilidade", publicou Guimarães anteontem.

'Ela sempre foi assim', diz pessoa próxima à engenheira

Mulher aparece vídeo gravado por amigo - Reprodução / TV Globo
Uma pessoa que conhece a engenheira química Nívea Valle Del Maestro diz que não se surpreende com a atitude dela ofendendo um fiscal da Vigilância Sanitária, em reportagem do ‘Fantástico’, da Globo. O Dia encontrou em contato com Nívea, mas ela não respondeu as mensagens até o fechamento da reportagem.
“Ela sempre foi assim, sempre destratou as pessoas. Não me surpreendi com nada do que eu vi. Desejo que com isso ela aprenda a tratar melhor as pessoas. Ela sempre teve essa conduta de destratar as pessoas por causa de posição social, financeira e até aspecto físico. Ela sempre foi assim”, acusa uma pessoa, que pediu anonimato. “Ela é uma pessoa má, amarga, sempre menosprezou as pessoas, sempre teve esse tipo de conduta”, acrescenta.
No Twitter, um usuário identificado como Marco Guimarães fala um pouco mais sobre a engenheira. “É triste, mas Nívea del Maestro estudou comigo na UERJ no final dos anos 90. Ela e o marido, Leonardo de Barros dão um exemplo recorrente de incivilidade”, postou Guimarães anteontem.
Em um vídeo, exibido no 'Encontro com Fátima Bernardes', ontem, um amigo do casal diz que a dupla está sendo ameaçada e que pede respeito. "O casal está muito triste com toda essa situação, muito sensibilizado com tudo isso que está acontecendo. Pedir para as pessoas que estão associando a imagem do casal a partido político, a nomes comuns no mundo político, que não tem nada disso. Nós estamos vivendo um momento de pandemia, um momento de amor e reflexão, de cuidado, tentando sair dessa crise e estamos gerando outra crise, sendo tão duros com as pessoas", afirma Rubens Berbert.
Antes de Nívea desativar as redes sociais, no Facebook, ela se descrevia da seguinte forma. “Eu poderia ser a pessoa mais agradável do mundo, mas optei por ser eu mesma”, escreveu. Já no LinkedIn, voltada para o mercado de trabalho, a engenheira descreve que tem vasta experiência na área de Gestão de Projetos, certificada PMP e fluente em Inglês. “15 anos de carreira desenvolvida na área de Gestão de Projetos em segmentos de Energia, Construção Naval e Tecnologia da Informação (sistema SAP FI CO SAP-BW) incluindo relevante experiência de 5 anos de Gestão de Custos de Projetos e Corporativos”, listou.

Comentários