Ex-funcionário acusa agentes da GM de agressão na RioSaúde

Guarda Municipal diz que homem forçou entrada no prédio público

Por O Dia

Funcionárias da RioSaúde gravaram momento da agressão:
Funcionárias da RioSaúde gravaram momento da agressão: "Estão batendo no Laerte! Faz isso, não, gente! Que horror!" -

O técnico de enfermagem Laerte Ramos, de 27 anos, acusa agentes da Guarda Municipal de o terem agredido, na manhã de ontem, enquanto ele estava nas dependências da RioSaúde, em Laranjeiras, na Zona Sul do Rio, solicitando a rescisão do contrato dele.

De acordo com Ramos, ao chegar na recepção da empresa, uma agente o orientou dizendo que ele deveria aguardar. Por conta da demora, Laerte falou que queria ser atendido no 5º andar do prédio, lugar onde solucionaria, segundo ele, seu problema, mas foi impedido, reclamou com uma amiga dizendo que estava "levando coice", o que teria começado a confusão.

"A guarda se alterou e começou a gritar comigo, dizendo que eu a chamei de égua. Depois chamou outros dois agentes da GM, que começaram a me agredir. Eu tentei sair da RioSaúde e esses dois guardas fecharam o portão. Um deles chegou até a pisar na minha cabeça", relatou.

Uma enfermeira, que preferiu não se identificar, estava no local na hora do ocorrido: "A confusão durou cerca de meia hora. Eu não sei qual foi o intuito da briga, mas o que eu vi foi que a guarda municipal mandou fechar o portão e imobilizou o menino junto com outros dois agentes". A enfermeira ainda acrescentou. "A mulher estava a paisana. Para mim, isso não é traje de um agente municipal", contou a enfermeira.

Em nota, a RioSaúde se pronunciou: "O cidadão em questão foi demitido no início do mês, no período de experiência, por não atender às expectativas da função para a qual havia sido contratado. Ele tentou forçar a entrada no prédio público, sem respeitar a autoridade da agente feminina da Guarda Municipal".

A GM, por sua vez, disse que "toda a situação foi filmada pelo sistema interno do prédio, que comprova a confusão causada pelo ex-funcionário, que xingou a servidora e precisou ser contido e conduzido para a 9ª DP (Catete), onde a ocorrência foi registrada como resistência e desacato".

Comentários