Número alto de casos e óbitos nas favelas de Itaguaí

Por Marina Cardoso

Coletivo de mulheres faz pesquisa para contabilizar casos no município
Coletivo de mulheres faz pesquisa para contabilizar casos no município -
Rio - Desde o início da pandemia do coronavírus (covid-19) no país, os especialistas alertavam para a chegada do vírus em locais com pouca infraestrutura e condições precárias de saneamento básico. No Rio, as favelas foram apontadas como grandes locais com alto risco de proliferação da covid-19. A preocupação dos especialistas se justifica pelos números de casos nas favelas de Itaguaí, na Baixada Fluminense. Cinco comunidades correspondem por 38% dos óbitos e 26% casos de coronavírus de todas as localidades mapeadas pelo Painel Unificador das Favelas. 
Segundo levantamento feito pelo O DIA, com base no painel para verificar o comportamento do coronavírus nas favelas, já são 2.671 infectados e 560 óbitos (confira no gráfico os números nas cinco favelas). Os dados são diferentes dos apresentados pela prefeitura, que contabiliza 2.172 casos e 114 mortes.
De acordo com Theresa Williamson, urbanista e diretora executiva do Comunidades Catalisadoras, gestora do Painel Unificador, Itaguaí aparece com grande número de casos e óbitos, pois é um das poucas cidades com contagens precisas nas favelas. "É complicado fazer qualquer análise de todo o estado, pois nós no painel fazemos a contabilização dos números coronavírus em apenas 150 favelas das 1 mil que temos em todo o Rio. Existem muitas favelas que não há contagem alguma. Itaguaí é um dos poucos lugares que têm números precisos de casos e mortes de covid-19", explica ela. 
Para ela, se outras favelas tivessem esse levantamento, o número de casos no Estado do Rio seria bem maior do que o notificado. "Precisamos contabilizar, mas não temos estrutura. Dados salvam vidas, sem dados a população fica mais uma vez negligenciada", afirma Theresa.
De acordo com Douglas Almeida, coordenador de mobilização da Casa Fluminense, a pandemia só escancara as desigualdades. "A covid-19 atinge principalmente os mais pobres, nas favelas e periferias. Infelizmente, não é surpresa o impacto em Itaguaí. O Mapa da Desigualdade aponta que a cidade tem uma das piores médias de idade com que as pessoas morrem, 60 anos, 6 anos a menos que a média da Região Metropolitana do Rio. São diferentes fatores que contribuem para isso, entre eles a falta de saneamento. Um exemplo disso é que Itaguaí figura entre as cidades em que o esgoto não é coletado e tratado", afirma ele.

Associação faz a coleta de dados

Em Itaguaí, a contagem de casos é feita por seis integrantes da Associação de Mulheres de Itaguaí - Guerreiras e Articuladoras Sociais (Amigas). Anna Paula Sales, uma participantes, diz que o trabalho começou de forma simples.

"Começamos em março de maneira ingênua e desde então fazemos trabalho de formiguinhas. Nas nossas doações de cestas básicas, víamos o aumento no número de óbitos, mas não sabíamos de testagem. A partir daí, começamos a rastrear casos e mortes. Corremos atrás de testes para moradores", conta.

Anna questiona a falta de infraestrutura na cidade e a escassez de leitos. "Não tínhamos leitos de UTI, depois vieram quatro, mas ainda é pouco, não temos hospital decente para atender. Estamos na luta, de porta em porta, para ajudar as pessoas", diz.

Galeria de Fotos

Coletivo de mulheres faz pesquisa para contabilizar casos no município Divulgação
Coletivo de mulheres realiza pesquisa para contabilizar número de casos e óbitos de covid-19 em Itaguaí Divulgação

Comentários