Medo da covid-19volta a pairar

Pacientes e funcionários de hospitais particulares na Zona Sul acusam novo aumento de internações por coronavírus, mas rede nega recrudescimento de casos

Por Bernardo Costa

No Hospital São Lucas, em Copacabana, paciente relata que ala para covid estava lotada no dia 3, diferente de quando esteve lá 11 dias antes
No Hospital São Lucas, em Copacabana, paciente relata que ala para covid estava lotada no dia 3, diferente de quando esteve lá 11 dias antes -

Há pelo menos 20 dias, os casos de internação por covid-19 aumentaram em três hospitais da rede privada na cidade do Rio. Ontem, O DIA visitou as unidades e ouviu relatos que dão conta de falta de vagas e de reabertura de espaços exclusivos para pacientes com o novo coronavírus, que haviam sido desativados diante do recuo na demanda.

No Copa D'Or, em Copacabana, uma funcionária, que pediu para não ser identificada, contou que duas alas foram reativadas para o tratamento da covid-19. Uma delas é de tratamento intensivo. "Esse setor, que chamamos de CTI Azul, havia sido desativado e até higienizado para receber pacientes sem coronavírus. Mas diante do aumento de internações por covid-19, foi preciso reativá-lo para atender à nova demanda", relatou a funcionária.

No Hospital São Lucas, também em Copacabana, um profissional relatou que, há pouco mais de uma semana, "os casos tiveram um novo boom". E que, ontem, todos os leitos dedicados ao tratamento da covid-19 na unidade estavam ocupados.

"Não tem vaga mais em lugar nenhum, nem de enfermaria nem de CTI. E alguns setores, que não eram para atendimento de covid-19, estão sendo transformados em leitos para coronavírus, porque os casos estão aumentando com força, pelo menos por aqui. Hoje mesmo (ontem), uma pessoa deu entrada com sintomas na emergência e mandaram procurar outro hospital", contou.

Também ontem, a administradora Roberta Maia, de 43 anos, aguardava a internação do pai, de 77 anos, no Hospital São Lucas. Segundo ela, o idoso havia testado positivo para coronavírus.

"Ele foi atendido, passou por exames e agora estamos aguardando o leito. Meu avô também foi infectado e teve alta daqui (São Lucas) há 15 dias e, hoje (ontem), eu retorno para trazer meu pai. Os casos continuam, mas as pessoas acham que não, haja vista as praias lotadas", disse Roberta.

Outra paciente, que pediu para não ser identificada, contou ter ido ao São Lucas na quinta-feira, quando ouviu de uma médica que os casos voltaram a aumentar.

"Eu estive no hospital 11 dias antes e o setor onde fica a ala de covid-19 estava vazio. Na quinta (dia 3), ele estava cheio. Perguntei à médica, que confirmou novo aumento de casos e disse que parecia que eles tinham voltado a abril, quando houve o pico da doença. Ela chegou a comentar que não sabia o que tinham feito para a doença ter voltado com toda a força".

No Hospital Quinta D'Or, uma profissional relatou que "ontem (segunda-feira) não havia vaga nenhuma para covid-19".

Rede D'Or não registrou aumento

A assessoria de imprensa da Rede D’Or informou que as diretorias do Copa D’Or e do Quinta D’Or negam que haja aumento de casos de internação por coronavírus e que alas exclusivas para o tratamento da doença haviam sido reabertas diante da alta na demanda. “Não foi registrado aumento do número de internações nem reabertura de alas ou leitos”, diz a nota enviada a O DIA.

Já a assessoria de imprensa do Hospital São Lucas não respondeu aos questionamentos específicos da reportagem sobre aumento de internações por coronavírus e adaptações em setores convencionais para o recebimento de pacientes de covid-19, se limitando a dizer que "o Hospital São Lucas adota fluxos e procedimentos específicos de atendimento para os casos de covid-19. Para isso, o hospital dispõe de alas separadas para esses casos e equipes assistenciais exclusivas".

 

Comentários