Rodrigo Bacellar (SD) lê parecer em comissão especial de impeachment de Wilson Witzel - Reprodução/ TV Alerj
Rodrigo Bacellar (SD) lê parecer em comissão especial de impeachment de Wilson WitzelReprodução/ TV Alerj
Por O Dia
Publicado 17/09/2020 14:20 | Atualizado 17/09/2020 14:58
Rio - O relator do processo do impeachment do governador afastado Wilson Witzel na Assembleia Legislativa (Alerj), Rodrigo Bacellar (SDD), leu seu parecer favorável à admissibilidade do processo no início da tarde desta quinta-feira. A comissão está reunida para ler e votar o parecer desde as 11h45 da manhã.

Galeria de Fotos

Comissão decide por prosseguimento de processo de impeachment de Wilson Witzel Cléber Mendes / Agência O DIA
Rodrigo Bacellar (SD) lê parecer em comissão especial de impeachment de Wilson Witzel Reprodução/ TV Alerj
Comissão discute e vota relatório sobre impeachment de governador afastado Wilson Witzel Cléber Mendes/ Agência O DIA
Sessão começou por volta das 11h45 desta quinta-feira Reprodução / TV Alerj
Witzel está afastado do cargo e sofre processo de impeachment na Alerj Cléber Mendes
Publicidade
Bacellar votou pela abertura do processo do impeachment. Os demais integrantes da comissão deverão votar se acompanham o relator no voto ou não.
"Entendo ser imperioso o prosseguimento do processo de impeachment para que os fatos sejam esclarecidos. O seguimento do processo é o caminho mais benéfico para o Estado do Rio de Janeiro. Ante os fatos e fundamentos apresentados, deve a Alerj dar prosseguimento de impeachment? A meu sentir, não existe outra resposta senão a de que o processo de impeachment deve prosseguir", concluiu o relator, citando indícios de crime de responsabilidade por parte do governador Wilson Witzel.
Publicidade
Os deputados discutem o voto do relator e, em seguida, proferem seus votos.
Acompanhe ao vivo: 
Publicidade
A tendência é que os deputados aprovem o texto de Bacellar com folga - são necessários 13 votos, maioria simples da comissão especial do impeachment, que tem 25 membros. Uma vez aprovado na comissão, o relatório será levado aos 70 deputados, na próxima semana, para votação em Plenário.
Publicidade
No plenário, é necessária maioria qualificada, ou seja, dois terços dos votos dos deputados, para que o processo avance. Se houver 47 votos em plenário pelo impeachment, será formada, em seguida, uma comissão mista composta por parlamentares e desembargadores para analisar o impedimento.
Publicidade
Witzel é acusado de praticar atos de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. As primeiras suspeitas começaram na Saúde durante a pandemia da covid-19.
No relatório, Bacellar destacou principalmente os momentos em que o governador afastado teria atuado para firmar contratos com as organizações sociais Unir Saúde e Iabas, acusadas de terem como sócio o empresário Mário Peixoto, pivô de recentes denúncias de corrupção na pasta.
Publicidade
A defesa do governador foi apresentada à comissão no início deste mês. Na tentativa de convencer os deputados, Witzel enviou ontem um vídeo
em que faz um apelo para que a Casa o deixe permanecer no cargo.

Com trilha sonora dramática, Witzel sobe o tom quando diz que foi afastado do cargo "sem direito de defesa", chama de "levianas" as acusações do Ministério Público Federal (MPF) e afirma que, no governo, combateu a corrupção e o crime organizado.

"Todas as acusações levianas contra mim serão desmascaradas, mas até o presente momento não tive meu direito de defesa", afirma o governador afastado.
Publicidade
"Peço ao povo do Rio de Janeiro e ao parlamento que não deixe isso (afastamento) acontecer. O governador Wilson Witzel precisa terminar o seu mandato", pediu.
Votação por enquanto
Publicidade
Rodrigo Bacellar - (relator) - Sim
Alexandre Freitas - Sim
Bebeto - Sim
Brazão - Sim
Carlos Macedo - Sim
Dionísio Lins - Sim
Dr. Deodalto - Sim
Eliomar Coelho - Sim
Enfermeira Rejane - Sim