Voluntário da Frente CDD carregando cesta básica nas costas - Divulgação
Voluntário da Frente CDD carregando cesta básica nas costasDivulgação
Por O Dia

O aumento no valor de alimentos como o arroz está prejudicando bastante o trabalho de projetos voluntários que distribuem cestas básicas. As inúmeras doações que eram realizadas no início da pandemia tiveram uma drástica redução por conta do aumento do preço dos produtos básicos. Entretanto, vale ressaltar que muitos autônomos, desempregados e até pessoas que não receberam nenhuma parcela do auxílio emergencial até hoje seguem precisando de doações neste momento de dificuldade.

É o caso da Frente CDD, coletivo da Cidade de Deus criado em março justamente com o objetivo de tentar diminuir o impacto da covid-19. De lá pra cá, foram doadas 13.430 cestas básicas, 20.285 máscaras e 12.380 frascos de álcool em gel. Mas, recentemente, esses números entraram em queda vertiginosa. De acordo com o voluntário João Felix, 20 anos, a queda de doações inquieta muito o coletivo. "Isso deixa a gente muito preocupado. A pandemia ainda não acabou e a gente fica pensando como vamos conseguir levar alimentos para as pessoas que mais precisam. É muito angustiante", afirmou João.

Além da questão das doações, Felix revelou que o coletivo realiza ainda um trabalho de articulação e conscientização para a população. "No início da pandemia, quando alguns produtos tiveram uma alta considerável como o álcool em gel, nós fomos em farmácias e mercados pedindo para que eles diminuíssem os preços. Além disso, colocamos um carro de som para circular na comunidade dando orientações de como se prevenir contra o coronavírus".

Quem quiser fazer qualquer tipo de doação para a Frente CDD, basta entrar em contato por meio do @frentecdd no Instagram. Lá tem todas as instruções de como você pode doar, seja por dinheiro através de transferência bancária ou comprando a cesta básica para os voluntários buscarem. Qualquer ajuda faz toda a diferença.

Você pode gostar
Comentários