Apesar da pandemia, devotos mantêm a tradição e garantem o doce  - Ricardo Cassiano
Apesar da pandemia, devotos mantêm a tradição e garantem o doce Ricardo Cassiano
Por O Dia

O sábado do Mercadão de Madureira, na Zona Norte do Rio, foi de grande movimento e procura por doces. Devotos de São Cosme e São Damião aproveitaram a véspera da celebração para garantir as guloseimas a serem oferecidas às crianças.

Por conta da pandemia da Covid-19, o acesso às lojas do Mercadão foi limitado e nos estabelecimentos havia dispenser de álcool em gel, espaçamento entre os clientes e medição de temperatura.

Com o isolamento social, a tradição de percorrer as ruas da cidade pegando e distribuindo doces precisou ser adaptada. Devoto dos santos, o contador Rafael Pereira, de 33 anos, dá doces com a irmã e a esposa há mais de 10 anos e decidiu manter a entrega dos saquinhos apenas para crianças da família e vizinhas.

"Fica complicado ir à rua, mas tem que manter a tradição. As crianças não têm culpa do vírus, elas já estão dentro de casa, tem que pelo menos ter o doce para animar, levar um pouco de alegria", disse o contador, que fez um pedido aos santos. "Pedi para o vírus não entrar na nossa casa, não afetar a minha família, e graças a Deus, ninguém pegou corona."

O gerente da Tarita Doces, Vitor Tanque, conta que, apesar da pandemia, o movimento na loja foi maior do que em 2019.

"Acho que as pessoas fizeram bastante promessas, por conta da pandemia. A gente acreditou que o movimento fosse ser grande, então compramos os doces bem antes e não faltou nenhum."

De acordo com o gerente, os doces tradicionais como cocada, maria-mole, pé-de-moleque e "cocô de rato" ainda são os preferidos, com procura de 80% dos clientes.

Já na loja Aki Doces a estratégia foi diferente. Com medo da baixa procura, o estabelecimento comprou as guloseimas tradicionais em menor quantidade.

 

Origem
Publicidade
Irmãos gêmeos e médicos, Cosme e Damião exerciam a profissão sem nenhum custo para a população da Egeia, na Ásia menor. Missionários, foram perseguidos pelo imperador romano Diocleciano. Eles foram acusados de serem inimigos dos deuses romanos e usar feitiçaria para disfarçar as curas, e por volta de 300 d.C, foram decapitados. Na celebração católica, o dia dos santos é 26 de setembro.

Nas religiões de matriz africana, os irmãos representam os orixás Ibejis e a comemoração ocorre em 27 de setembro. Também gêmeos, as divindades resolviam os problemas levados a eles e em agradecimento, recebiam brinquedos e doces. Algumas religiões ainda acreditam que eles tinham um trigêmeo, chamado Doum, que teria morrido ainda criança. Assim, os outros irmãos se tornaram médicos para curar a todas as crianças, de forma gratuita. Doum é considerado o protetor das crianças de até 7 anos.

Irmãos gêmeos e médicos, Cosme e Damião exerciam a profissão sem nenhum custo para a população da Egeia, na Ásia menor. Missionários, foram perseguidos pelo imperador romano Diocleciano. Eles foram acusados de serem inimigos dos deuses romanos e usar feitiçaria para disfarçar as curas, e por volta de 300 d.C, foram decapitados. Na celebração católica, o dia dos santos é 26 de setembro. 

Nas religiões de matriz africana, os irmãos representam os orixás Ibejis e a comemoração ocorre em 27 de setembro. Também gêmeos, as divindades resolviam os problemas levados a eles e em agradecimento, recebiam brinquedos e doces. Algumas religiões ainda acreditam que eles tinham um trigêmeo, chamado Doum, que teria morrido ainda criança. Assim, os outros irmãos se tornaram médicos para curar a todas as crianças, de forma gratuita. Doum é considerado o protetor das crianças de até 7 anos.