MP pede a impugnação da candidatura de Marcelo Crivella

Em um trecho da petição assinada pelo promotor eleitoral Rogério Pacheco Alves, ele cita que o prefeito foi condenado por abuso de poder político e por conduta vedada

Por Bernardo Costa

Crivella
Crivella -
Rio - O Ministério Público Eleitoral (MPE) pediu, neste domingo, que a candidatura à reeleição do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), seja indeferida. O pedido foi enviado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE-RJ) após o prefeito do Rio ter se tornado inelegível até 2026.
Segundo o promotor de Justiça Rogério Pacheco, a solicitação é um mero desdobramento da votação pela Corte do TRE-RJ, na última quinta-feira, que condenou o prefeito pelos crimes de abuso de poder político e conduta vedada a agente público, com pena de inelegibilidade até 2026 e multa de R$ 106,4 mil.
Na ocasião, os sete desembargadores do TRE-RJ decidiram, por unanimidade, condenar o prefeito por ter realizado, em 13 de setembro de 2018, uma reunião eleitoral com funcionários da Comlurb, na quadra da Escola de Samba Estácio de Sá, para promover as candidaturas de seu filho, Marcelo Hodge Crivella, e Alessandro da Silva Costa aos cargos de deputado federal e estadual, respectivamente. Ambos não se elegeram nas eleições daquele ano.
Segundo o relator do processo, desembargador Cláudio Luís dell’Orto, os agentes da Comlurb foram levados a participar do comício eleitoral por engano, acreditando tratar-se de reunião de trabalho. "Funcionários foram induzidos ao erro e atraídos para um ato de campanha. No convite, foi omitido propositadamente que se tratava de um evento eleitoral", destacou o desembargador Cláudio Luís dell’Orto.
Candidatura aguarda julgamento
No site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), consta petição, com data desta terça-feira, intimando o prefeito Marcelo Crivella a contestar, caso queira, no prazo de sete dias, o pedido de impugnação de sua candidatura feito pelo MPE.
Procurada, assessoria de imprensa da campanha de Marcelo Crivella disse que não há nenhum tipo de impedimento e que ele está apto a disputar a eleição até o trânsito em julgado. Porém, não informou se o prefeito recorreu da condenação à inelegibilidade ou se contestou o pedido de impugnação da candidatura.
Por enquanto, o registro de candidatura de Crivella aparece como "aguardando julgamento" no portal do TSE. Segundo o órgão, a decisão final se ele pode concorrer ou não à reeleição vai acontecer até 20 dias antes da votação, cujo primeiro turno será no dia 15 de novembro.

 

Comentários