Ordem Mística de Regeneração doa 130 cestas básicas a famílias carentes
Ordem Mística de Regeneração doa 130 cestas básicas a famílias carentesDivulgação
Por O Dia
Rio - Os moradores da comunidade do Sampaio, na Zona Norte do Rio, receberam doações de cestas básicas neste sábado. Cerca de duas toneladas de alimentos não perecíveis, divididos em 130 cestas básicas, foram distribuídos à população. A distribuição faz parte da Corrente de São Francisco de Assis, feita mensalmente pela Ordem Mística de Regeneração (OMR), no bairro Riachuelo, também na Zona Norte do Rio.
Publicidade
A instituição ressaltou que em tempo de pandemia, a distribuição dos alimentos tem sido um alento para as 130 famílias carentes. As cestas contam com quatorze itens que incluem arroz, feijão, macarrão, óleo, café, dentre outros produtos básicos e são entregues em todo último sábado do mês na sede da OMR. Na ocasião, representantes das famílias cadastradas recebem os alimentos. Por ano, a corrente é responsável pela doação de mais de 22 mil quilos de alimentos.
Moradora do Morro do Quieto, a dona de casa Sueli Fernandes disse que a cesta básica complementa o sustento de sua família. Segundo ela, trabalho hoje está difícil e os alimentos representam a garantia alimentação de sua família. "Nessa época de pandemia, com trabalho difícil, a cesta básica ajuda muito. Tenho dez netos e todo mês esse é o complemento da família", disse.
Publicidade
A corrente existe há mais de 30 anos. Antes, os alimentos eram distribuídos a cada três meses para as famílias cadastradas. Desde o ano de 2005, no entanto, esse trabalho tem sido feito todo mês por determinação do dirigente da casa, já que as famílias muito carentes precisam dos alimentos.
As cestas são montadas com auxílio e doações de integrantes da OMR e de colaboradores de toda a sociedade civil. Em tempo de pandemia, com dificuldades financeiras em toda a sociedade, as doações têm sido reduzidas, mas tanto o Dirigente da Casa como o Dirigente da Corrente de São Francisco tentam manter o padrão dos alimentos e as doações.
Publicidade
Responsável pela corrente, o engenheiro Hossain Daychoum, disse que em tempos de pandemia as doações caíram. Ele, no entanto, não mede esforços para que os alimentos não faltem na mesa de quem precisa.
"Estamos passando dificuldades para angariar alimentos. Contamos com doações de alimentos e financeiras de amigos e das pessoas que abracem nossa ideia. Quem tem fome tem pressa e nosso trabalho não pode parar", concluiu.
Publicidade
A instituição ressalta que quem tiver interesse em doar alimentos não perecíveis e qualquer ajuda financeira para a Corrente de São Francisco, pode entrar em contato através do email [email protected], onde serão passados os direcionamentos para as doações.