Aulas das redes municipal e privada continuam suspensas por tempo indeterminado

Em live, a prefeita declarou que as aulas só voltarão quando houver total segurança para os alunos

Por O Dia

Volta às aulas fica suspensa por tempo indeterminado
Volta às aulas fica suspensa por tempo indeterminado -
Saquarema - Em todo o território nacional, cerca de 50 milhões de estudantes da educação básica, sendo 40 milhões na rede pública, estão com aulas presenciais suspensas desde março, em decorrência da Covid-19.
Medidas emergenciais como a suspensão das aulas foram e são de extrema importância no combate à disseminação do Novo Coronavírus, mas pesquisas mostram que haverão múltiplos impactos nos alunos e nos educadores, exigindo um esforço do poder público de um planejamento de volta às aulas gradual e articulado entre diferentes setores, como Educação, Saúde e Assistência Social e que evidências mostram que a Educação Pública é um pilar fundamental para a reconstrução de um país após crises profundas, segundo informações no site todospelaeducacao.org.br .
Mas quando?
A pergunta que não quer calar. Em live realizada, semanalmente, pela prefeita Manoela Peres em suas redes sociais para, principalmente, tirar dúvidas da população sobre as medidas da Covid-19 e também outros assuntos, a prefeita respondeu ao questionamento feito por dezenas de pessoas “Quando será a volta às aulas?”
Não achamos prudente voltar às atividades escolares antes de termos total segurança para nossos alunos”, declarou a prefeita. “Enquanto não houver uma vacina ou um parecer dos órgãos competentes que nos dê total segurança, não voltaremos. Vamos continuar com o ensino à distância o quanto pudermos, seguindo as orientações dos governos estadual e federal”. - completou.
Conforme informações dos órgãos competentes, no estágio em que o Brasil está, com curva ascendente no número de casos de Covid-19, impossibilita a volta às aulas em um curto prazo. E, mesmo quando os colégios puderem reabrir, surgirá outro problema: as recomendações sanitárias para que o processo ocorra de forma segura são incompatíveis com a realidade de parte das escolas públicas.

Comentários