Rapper saquaremense lança seu primeiro videoclipe nas plataformas digitais - Divulgação
Rapper saquaremense lança seu primeiro videoclipe nas plataformas digitaisDivulgação
Por O Dia
Publicado 12/10/2020 11:44 | Atualizado há 4 dias
Saquarema - Rapper, grafiteiro, artista plástico e escritor. Thadeu Figueiredo de Oliveira, mais conhecido como Thadeu Zumbi, lançou uma “vakinha” on-line e ultrapassou a meta estabelecida para produzir o clipe da música “Sem ser Confundido” que faz parte do projeto Dtox, que narra a cultura preta dentro da sociedade contemporânea.

“Sem ser Confundido” conta a história do dia a dia do povo negro trabalhador, que é confundido frequentemente com bandidos, como se a cor fosse marca de mau-caratismo. “Guarda chuva, celular, os caras juram que é porte! Colher de pedreiro, furadeira, porra, isso não é porte?” - fala a rima do rapper.

O “Dtox”, como diz o nome, é um desintoxicante, uma luz no fim do túnel pra quem ainda enxerga o preto inferior e deseja clarear a mente. É um som que rasga e tira d'alma toda a sujeira que a sociedade incutiu nos seres humanos. “Não que a gente seja perfeito, todos ainda temos marcas de uma sociedade preconceituosa e capitalista. Mas a gente tenta… e produzir esse som e tentar mostrar às pessoas o valor do ser humano, que a vida do preto vale tanto quanto a do branco é bom demais.” - diz Thadeu.

O artista multimídia é nascido e criado em Saquarema, na cidade, sua família já tem 3 gerações e, desde o seu tataravô, seus primos e tios fazem arte e música. Thadeu fala também sobre as influências que o incentivaram a fazer rap. “Speed Freaks e Black Alien me fizeram entender que eu podia transformar a poesia que eu escrevia em música. Os caras são feras! Speed já morreu mas o cara era muito bom e fazia rap fácil. Não tinha dificuldade nenhuma pra mostrar o que pensava em forma de música e eu entendi que podia fazer isso também.” - comenta Thadeu.

Thadeu relata a sua vida na arte. Ogã de um terreiro de umbanda, o artista leva a cultura negra, a religiosidade, a intolerância e a desigualdade social pra dentro da poesia, da música e para as telas e grafites que pinta.

O videoclipe está em fase de produção e será lançado no fim de novembro. “Mesmo que boa parte do dinheiro da produção tenha sido arrecadado com a vakinha, não conseguimos custear tudo, ainda faltam alguns detalhes que serão resolvidos durante esse e o próximo mês para lançarmos o clipe até final de novembro no YouTube.” - completa Zumbi.

Pra quem quer acompanhar o trabalho do artista e esperar pra ver o clipe, é só acessar o canal dele no Youtube.