A restauração tem o objetivo de trazer de volta a originalidade do prédioFoto: Divulgação

Tanguá - A secretaria de Cultura e Turismo, juntamente com o departamento de Patrimônio Cultural, realizou uma pesquisa na Estação Ferroviária tendo como objetivo restaurar a originalidade do prédio.
Logo após perder sua cobertura original em telhas de barro, conhecidas como telhas francesas por serem importadas após o final da década de 60 comprovadamente através de documentação fotográfica, o prédio da estação passou por diversas repinturas em branco a cal, amarelo e azul.
“Iniciamos um processo de reversibilidade. As paredes pretendemos voltar para a cor utilizada na época. A cor era marfim bege até o teto, o barreado era castor suave, e as portas eram marrom amor perfeito”, explica o secretário de Cultura e Turismo, Reginaldo Garcia, que possui formação em Belas Artes.
Através de uma prospecção, se investigou o que existia debaixo das camadas de tinta. O processo contou com a colaboração de Alexandre Shiachticas, morador de Maricá, que acumula em seu currículo participação em diversos projetos de restauração, incluindo os prédios do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, da Fundação Casa Rui Barbosa e muitos outros.
A secretaria também planeja uma mostra fotográfica que retrata, em espécie de linha do tempo, a história da edificação no Centro de Memória que será aberto na Estação.
“Queremos contar com a participação popular. As pessoas que possuírem em casa algo que relembre a estação e tenha o interesse em fazer a doação para o acervo do Centro de Memória, podem entrar em contato com a secretaria pelo telefone 2727-4113 ou pelo e-mail [email protected]”, finaliza.