Uma igreja foi multada, na Vila Santa Cecília, por descumprimento ao decreto que estabelece normas de combate à covid-19 - Secom VR
Uma igreja foi multada, na Vila Santa Cecília, por descumprimento ao decreto que estabelece normas de combate à covid-19Secom VR
Por O Dia
Volta Redonda - Uma igreja, na Vila Santa Cecília, em Volta Redonda, foi multada por descumprir o decreto que limita em 30% a ocupação dos templos. A ação aconteceu no domingo, dia 26. As equipes da força-tarefa de fiscalização das medidas de combate ao vírus verificaram as atividades na Feira Livre e templos religiosos.
Segundo o prefeito Samuca Silva, as ações de fiscalização fazem parte da estratégia da Prefeitura de Volta Redonda para conter o vírus na cidade.
Publicidade
“Precisamos sempre da ajuda da população nos informando e denunciando aglomerações e atividades econômicas que estão descumprindo os decretos. Nosso objetivo é salvar vidas e precisamos da ajuda de todos para garantir as ações de combate ao coronavírus”, disse.
Força-tarefa fiscaliza atividades econômicas, Feira Livre e templos religiosos - SecomVR
O prefeito Samuca Silva também decretou, que desde o domingo, dia 26, está proibida a utilização da Praça da Colina pelos estabelecimentos comerciais. O objetivo é evitar aglomerações, como as registradas nos últimos dias no espaço.

Samuca explicou que a flexibilização das atividades acontece para que o comércio não feche as portas e também para que os empregos sejam mantidos, mas os abusos precisam ser coibidos.
Publicidade
“Aumentamos em mais 10 leitos de UTI específicos para Covid-19, estamos com novo protocolo de medicamento, entre outras medidas. Mas é preciso que todos façam sua parte. Por isso, a fiscalização está atuando para garantir o cumprimento das determinações”, comentou.

Os seis eixos de monitoramento condicionantes para a flexibilização das atividades econômicas são o número de casos suspeitos não aumentar mais que 5% por três dias seguidos; a ocupação de leitos de UTI não ultrapassar 50%; a ocupação de leitos no Hospital de Campanha não ultrapassar 60%; o grupo de risco permanecer em isolamento social; uso de máscara obrigatório em todo espaço público; além de manter a proibição de qualquer tipo de aglomeração.
A força-tarefa, formada pela Guarda Municipal, secretarias de Fazenda e de Segurança Pública, Vigilância Sanitária, além das polícias Militar e Civil e Ministério Público, atende as denúncias feitas pela população por meio da Central de Atendimento Único (CAU), pelo telefone 156, e também pelo aplicativo FiscalizaVR. Além disso, ainda são feitas rondas em locais que, tradicionalmente, apresentam concentração de pessoas.