Por uma praia livre da sujeira

Voluntários se unem em ações de limpeza e conscientização pela preservação da orla carioca

Por O Dia

Dos resíduos em Copacabana, havia 4.600 guimbas de cigarro
Dos resíduos em Copacabana, havia 4.600 guimbas de cigarro - DIVULGAÇÃO MOVIMENTO LIXO ZERO

Rio - Em apenas um domingo de verão, a Comlurb retira das areias das praias do Rio cerca de 195 toneladas de lixo. O trabalho de coleta é árduo, pois basta o gari virar as costas para banhistas voltarem a sujar novamente. Na tentativa de conscientizar a população sobre a importância da preservação das praias, grupos de voluntários e ONGs intensificam ações de limpeza neste início de ano. Hoje, no Arpoador, o projeto Sou Rio Sustentável fará a retirada de pichações das pedras e recuperação das cercas de proteção e áreas de plantas.

Será a segunda ação do grupo no Arpoador. No domingo passado, 10 pessoas estiveram na praia e retiraram 28 sacos de lixo de 200 litros cada na área de vegetação perto da pedra. "São mais de 300 pontos de pichações e mais de 400 metros de cerca de proteção. Vamos capinar e limpar todas as áreas de plantas", explicou Flavio Costaleites, responsável pelo Sou Rio Sustentável, sobre o trabalho que será executado hoje. Além do Arpoador, o projeto também fará a limpeza das pedras da Macumba, Leme e Paquetá futuramente.

E não é só nas areias a mobilização pela praia limpa. O projeto Verde Mar, em parceria com ONGs, fará no próximo domingo a coleta de resíduos no fundo do mar na Praia Vermelha. Vinte mergulhadores voluntários vão se encontrar às 8h para recolhimento do lixo, que deve durar cerca de duas horas.

"Depois eu separo os resíduos e faço um relatório. Naquela área encontramos muito plástico e artigos de pesca, como linha, chumbo e resto de rede", contou Caio Salles, instrutor de mergulho e integrante do projeto. Segundo ele, por conta do lixo no mar, muitos animais acabam morrendo, principalmente na área do costão. "É um impacto muito grande na vida marinha. Já vimos muitas tartarugas morrerem, pois elas ficam presas nas redes de pesca. Também tem várias espécies de peixes juvenis, como raias, frade e olho de cão sendo prejudicadas", completou Caio. O projeto já fez 18 ações como essa desde 2016 e retirou mais de 100 kg de lixo do fundo do mar.

Experiente no assunto quando o tema é conscientização, a mobilizadora para sustentabilidade, Fernanda Cubiaco, que já esteve à frente das ações do Movimento Lixo Zero, afirma que a cada verão o lixo nas praias aumenta, principalmente por conta do acréscimo de turistas. "Não vamos ter a mudança de cultura do lixo de uma hora para outra. O trabalho desses grupos é justamente chamar na consciência de que a praia é uma área de lazer e precisamos conservar diariamente. A questão não é limpar, é não sujar", destacou Fernanda.

No ano passado, 600 pessoas de vários grupos e ONGs, em parceria com a Comlurb, se uniram em uma mega limpeza entre os postos 5 e 6 de Copacabana. Em 1h30 foram retirados 350 kg de resíduos, 4.600 guimbas de cigarro e 700 canudos plástico.

 

Galeria de Fotos

Flávio Costaleites, do Sou Rio Sustentável, recolheu lixo no Arpoador DIVULGAÇÃO/ SOU RIO SUSTENTÁVEL
Dos resíduos em Copacabana, havia 4.600 guimbas de cigarro DIVULGAÇÃO MOVIMENTO LIXO ZERO

Comentários