Campos terá hospital de campanha com mais de 100 leitos de UTI contra o coronavírus

Estrutura será montada no campus da UENF; gabinete de crise discute instalação de barreira sanitária na BR-101 depois de contraprova confirmar primeiro caso positivo na cidade

Por Leonardo Maia

O prefeito de Campos, Rafael Diniz (ao fundo), reunido com o gabinete de crise criado para o combate ao coronavírus
O prefeito de Campos, Rafael Diniz (ao fundo), reunido com o gabinete de crise criado para o combate ao coronavírus -
O prefeito de Campos, Rafael Diniz, revelou há pouco, em entrevista ao noticiário local da rede Record, que o governo estadual vai montar um hospital de campanha na cidade com mais de 100 leitos de UTI, para atender toda as regiões Norte e Noroeste Fluminense. Neste momento, o prefeito está reunido com seu gabinete de crise para decidir novas medidas de contenção do novo coronavírus, depois que a contraprova do exame de um caso suspeito confirmou o primeiro paciente com a doença no município.
Está em discussão nessa reunião, conforme apurou a reportagem, a possibilidade de instalação de barreiras sanitárias nos acessos de Campos, em especial na BR-101, rodovia que corta a cidade e faz a ligação do estado do Rio com o Espírito Santo. Mas, por se tratar de estrada federal, um fechamento da BR precisaria da aprovação de Brasília. No entanto, as autoridades campistas pensam em adotar ações de orientação e conscientização dos motoristas, o que poderia ser feito de imediato.
"O importante é que a população campista saiba que ainda estamos num momento em que o isolamento social pode fazer uma grande diferença no achatamento de curva de contágio e na redução do número de casos do coronavírus da cidade", disse Diniz, ao anunciar a compra pela prefeitura de 1000 kits de testes rápidos para diagnóstico da doença.
O hospital de campanha a ser montado na cidade vai ocupar boa parte do campus da UENF, e deverá ter cerca de 150 leitos para casos graves da covid-19. Além dele, um Centro de Combate ao Coronavírus, estrutura montada no novo prédio da Beneficência Portuguesa, exclusivamente dedicado ao tratamento dos casos confirmados e em estado mais crítico.
Segundo Diniz, a cidade está preparada e tem tomado as decisões no tempo e na medida certa para lidar com a inevitável chegada da pandemia mundial. Atualmente, a rede municipal de saúde conta com 52 respiradores, e outros 30 estão em reparo para serem utilizados.
"Nossa rede de apoio (hospitais filantrópicos) tem de 120 a 150 respiradores, que podemos solicitar para o enfrentamento do coronavírus, se necessário", contabilizou o prefeito, que anunciara pela manhã, em vídeo, o primeiro caso positivo de contágio na cidade.
Trata-se de um homem de 37 anos, que esteve no início do mês em São Paulo. Ele passa bem e está em isolamento domiciliar. Existem outros 14 casos suspeitos no município, cinco deles estão internados em estado grave.
"Conclamo os campistas a manter o isolamento social. Todo mundo em casa. Só sair em caso de extrema necessidade, para comprar alimentos ou medicamentos. Ainda podemos evitar o pior", apelou o prefeito.

Comentários