Estado do Rio não prevê abertura de concursos públicos

Secretário da Casa Civil, José Luís Zamith afirmou à Coluna que não há no horizonte possibilidade de novas contratações apesar de déficit de pessoal em algumas áreas

Por PALOMA SAVEDRA

Secretário da Casa Civil, José Luís Zamith
Secretário da Casa Civil, José Luís Zamith -

Rio - Sob o Regime de Recuperação Fiscal desde setembro de 2017, o Estado do Rio de Janeiro é 'cercado' por restrições em suas despesas, afunilando a possibilidade de novas contratações de servidores. Mas há brechas para a abertura de concurso público: por exemplo, quando há vacâncias por aposentadoria e morte na Segurança, Saúde e Educação. Ainda assim, o secretário da Casa Civil, José Luís Zamith, afirmou à Coluna que não está no horizonte do governo Witzel novas seleções tão cedo, como este ano — exceto o que já foi anunciado para as mil vagas na Polícia Civil.

Cabe lembrar que a autorização para fazer concursos e contratações se dá para reposição de cargos que estão vagos desde a data de adesão do estado à recuperação fiscal — ou seja, em setembro de 2017. Ainda assim, é necessário que o Executivo fluminense apresente ao Conselho de Supervisão do regime um estudo de impacto financeiro.

Sem possibilidade

Zamith disse que, atualmente, as equipes das áreas de Planejamento e Fazenda, ainda não veem possibilidade de cobrir déficit de pessoal em todas as áreas.

"Hoje o problema não está na vacância e na compensação, mas está no orçamento e no financeiro. Então, por exemplo, um dos desafios que a gente tinha para a chamada dos papiloscopistas é que, apesar de você ter um financeiro bancado pela Alerj, você não tinha orçamento. Isso tudo é uma combinação", afirmou Zamith, afastando a ideia de concursos por agora:

"Hoje, a gente não está vendo nenhuma possibilidade de novos concursos, a não ser aqueles que o governador anunciou (para a Polícia Civil). Como disse o governador, o Estado do Rio é um doente na UTI, e a gente estancou o sangramento. Então a gente só comemora o destrave da máquina. Isso é para comemorar", declarou.

Comentários