Professores do estado querem 49,5% de correção salarial com base no piso nacional

Representantes do Sepe vão se reunir com o presidente da Alerj, André Ceciliano (PT), e pedir interlocução do parlamentar com o Executivo

Por PALOMA SAVEDRA

Última reposição de salário que professores estaduais tiveram foi em 2014, diz o Sepe
Última reposição de salário que professores estaduais tiveram foi em 2014, diz o Sepe -
Professores do Estado do Rio vão se reunir, no próximo dia 26, com o presidente da Assembleia Legislativa (Alerj), André Ceciliano (PT). Na pauta: o reajuste da categoria. Representantes do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) vão pedir a interlocução do parlamentar e do líder do governo, Márcio Pacheco (PSC), para que levem ao Executivo o pedido de correção salarial de 49,5% à classe.
A ideia é equiparar as remunerações da categoria no estado ao piso nacional, hoje de R$ 2.557,74 (jornada de 40 horas). Diretor do Sepe, Flávio Lopes afirmou que os cálculos foram feitos pela entidade junto com o Dieese. "Levando-se em consideração, no Rio, a jornada de 22 horas para professor em início de carreira, nível 1, o piso seria de R$ 1.406, mas está em R$ 940,16".
O Sepe entregou ao líder do governo documento que apresenta um recorte da defasagem salarial nos últimos anos. "O estado concedia a reposição salarial, e, dessa forma, nossa remuneração acompanhava o piso nacional. Mas desde 2015 isso não acontece", explicou Lopes. "Nossa principal reivindicação é que o governo cumpra a lei do piso nacional do magistério", acrescentou.

Comentários