Witzel alerta: com crise do coronavírus, salário de servidores não está garantido após maio

Governador chamou atenção para a necessidade de um plano de socorro aos estados; relatório do Plano Mansueto pode conter medidas que ajudem os governos nesse período

Por PALOMA SAVEDRA

Governador Wilson Witzel citou situação preocupante de todos os estados, em especial daqueles em crise, como Rio, Minas e Goiás
Governador Wilson Witzel citou situação preocupante de todos os estados, em especial daqueles em crise, como Rio, Minas e Goiás -
O governador Wilson Witzel fez um alerta, nesta terça-feira, sobre a situação do funcionalismo estadual em meio à crise provocada pela pandemia do coronavírus. Witzel declarou que, antes desse cenário, o pagamento de servidores estava garantido até o final do ano, mas, agora, não pode dar essa certeza após o mês de maio.

Galeria de Fotos

Rio de Janeiro - RJ - 18/03/2020 - Coronavirus na cidade do Rio - Movimentaçao no Terminal Rodoviario do Rio - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 18/03/2020 - Coronavirus na cidade do Rio - Movimentaçao no Terminal Rodoviario do Rio - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 18/03/2020 - Coronavirus na cidade do Rio - Movimentaçao no Terminal Rodoviario do Rio - na foto, Maria das Graças - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 18/03/2020 - Coronavirus na cidade do Rio - Movimentaçao no Terminal Rodoviario do Rio - na foto, Maria das Graças - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 18/03/2020 - Coronavirus na cidade do Rio - Movimentaçao no Terminal Rodoviario do Rio - na foto, higienizaçao do espaço - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
18/03/2020 - AGENCIA DE NOTICIA - PARCEIROS - Trem do corcovado vai suspender atividades por uma semana, a parti desta Terça Feira (17). Fabio Costa
174/03/2020 - AGENCIA DE NOTICIAS - PARCEIRO - COVID-19 - MOVIMENTAÇÃO - Grande a movimentação na região da rodoviária na zona central de Brasília, nesta tarde de terça-feira (17). Foto: Tiago Teles/Parceiro/Agência O Dia Tiago Teles/Parceiro/Agência O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 17/03/2020 - Coronavirus na cidade do Rio - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 17/03/2020 - Coronavirus na cidade do Rio - na foto, Maristela Balbino Taniozzo e Tatiane Andrade, utilizando BRT - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
17/03/2020 - AGENCIA DE NOTICIA - PARCEIROS - Grande Movimento devido ao coronavírus no Hospital Ronaldo Gazola, em Acari, zona norte, nesta Terça feira (17). Paulo Carneiro
Até o momento, Petrópolis não possui casos confirmados da doença Reprodução/Redes Sociais
Bar em frente a UERJ, é cheio de estudantes durante toda a semana. Foto: Estefan Radovicz/Agencia O Dia Estefan Radovicz/Agencia O Dia
16/03/2020 - AGENCIA DE NOTICIAS -PARCEIRO - COVID -19 NO PERU- O Ministério da Saúde (Minsa) confirmou novos casos de coronavírus (COVID-19) no Peru e, com isso, o número de pessoas afetadas por essa doença subiu para 86. A maioria dos pacientes está em isolamento domiciliar e oito estão internados em Lima. De acordo com o relatório mais recente, 2.315 amostras foram processadas para esta doença.Governo decreta emergência sanitária em todo o país por 90 dias. Foto: Naldy Gomez/Parceiro/Agência O Dia Naldy Gomez/Parceiro/Agência O Dia
RIO DE JANEIRO, RJ, 16.03.2020 - COVID-19 - MOVIMENTAÇÃO - Movimentação no Centro do Rio de Janeiro. Apesar do decreto feito hoje, pelo governador do colocando o Rio de Janeiro em estado emergência, a grande maioria do Carioca ainda parece estar em ritmo de normalidade, nesta segunda-feira (16). Foto: Fausto Maia/Parceiro/Agência O Dia Fausto Maia/Parceiro/Agência O Dia
Governador Wilson Witzel citou situação preocupante de todos os estados, em especial daqueles em crise, como Rio, Minas e Goiás Ricardo Cassiano/Agencia O Dia
"O salário dos servidores estava garantido até o final do ano. Agora, com essa crise do coronavírus não está garantido nem o do Rio de Janeiro, nem dos outros estados. Vai ser deficiente a arrecadação e, certamente, (vai afetar) Minas Gerais, que já não tem mais como pagar a sua folha, Santa Catarina, Goiás, que estão no limite também, que não têm condições de pagar. Então, é uma questão nacional", declarou o governador em entrevista à Record TV. 
"Evidente que na medida do possível vamos pagar o salário dos servidores. Até o presente momento, está garantido o mês de março, de abril, maio... A minha preocupação é que essa situação seja agravada do meio do ano para frente", acrescentou. 
Witzel também aproveitou para fazer um apelo à União para evitar a quebra dos estados: "Nós temos que tomar uma decisão de como fazer para socorrer a economia, porque essa situação pode se agravar e talvez não chegue até julho. É preciso encontrar solução para isso".
Em carta, governadores pedem ajuda
Em meio a essa crise, os governadores dos estados enviaram carta ao governo federal pedindo um pacote de socorro com recursos financeiros para a Saúde, crédito do BNDES, além da suspensão do pagamento da dívida com a União.
E nesta semana o Ministério da Economia começou a discutir ações para ajuda financeira aos estados. A ideia é que algumas medidas sejam incluídas no parecer que o deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) apresentará ao chamado Plano Mansueto - projeto de lei do Executivo para a ajuda financeira aos governos estaduais e municipais. 
Um dos pontos negociados é a suspensão do pagamento de dívidas com a União por 12 meses. O Rio de Janeiro também se beneficiaria com essa medida. 
Pedro Paulo já estava negociando também, antes da crise estourar, a ampliação do Regime de Recuperação Fiscal, de seis para 10 anos. 
O Plano Mansueto deve ser votado em breve. E o Congresso, inclusive, está preparado para que, se necessário, votações sejam feitas de forma remota, sem a necessidade de concentração de parlamentares no plenário.

Comentários