Alerj vota no início de agosto proposta que permite coronéis mais tempo no posto

Projeto do governo aumenta de 4 para 6 anos a permanência dos oficiais no topo da hierarquia da Polícia Militar; se aprovada, medida passará a valer de imediato

Por PALOMA SAVEDRA

Coronéis só podem ficar quatro anos no posto, de acordo com o Estatuto dos Policiais Militares; em setembro, o governador Wilson Witzel homenageou os coronéis recém-promovidos
Coronéis só podem ficar quatro anos no posto, de acordo com o Estatuto dos Policiais Militares; em setembro, o governador Wilson Witzel homenageou os coronéis recém-promovidos -
Os coronéis da PM terão direito a ficar na ativa, ocupando esse posto, por seis anos. O governo enviou à Alerj um projeto de lei para alterar o Estatuto dos Policiais Militares, ampliando o tempo de trabalho desses oficiais na corporação. Presidente da Casa, André Ceciliano (PT) disse à coluna que a proposta será votada na primeira semana de agosto. 
Essa mudança é uma reivindicação antiga dos oficiais. E se for aprovada, a medida já passará a valer de imediato, ou seja, a partir desse ano. 
O estatuto só permite que o coronel - posto máximo na PM - trabalhe por quatro anos. Completado esse período, o oficial tem que se aposentar. Ficam fora dessa regra oficiais superiores que ocupam cargos de secretário de Estado e outros.
“Eles querem ficar mais tempo e contribuir para a sociedade”, alegou o secretário da Casa Civil, Cleiton Rodrigues, lembrando que é um desejo dentro da corporação.

Comentários