Úrsula Leal sofre transtornos psiquiátricos e está sumida há 3 dias
Úrsula Leal sofre transtornos psiquiátricos e está sumida há 3 dias Arquivo Pessoal
Por Charles Rodrigues
Publicado 08/11/2020 19:27 | Atualizado 08/11/2020 19:39
Há três dias, familiares e amigos buscam o paradeiro da comerciária Úrsula Maria Martins Leal, de 44 anos, que desapareceu, após sair de uma clínica psiquiátrica, em Santa Teresa, na Zona Sul do Rio de Janeiro. De acordo com a família, Úrsula teria se sentido mal em casa, na última sexta-feira, e foi sozinha à unidade de saúde, onde foi liberada, por volta das 21h, mas não retornou. Moradora de Cordovil, na Zona Norte, a comerciária vestia calça legging rosa, blusa branca e um boné bege. O aparelho celular de Úrsula permanece desligado.
De acordo com a família, Úrsula sofre transtornos psiquiátricos e, após um surto, ficou internada por 30 dias na clínica, em Santa Teresa. “Ela ficou na unidade, entre o dia 5 de outubro ao dia 3 de novembro. Recebeu alta médica, voltou bem para casa, parecia estabilizada. Mas, acreditamos que a notícia da morte de uma amiga e o indeferimento do processo de benefício da aposentadoria possam ter mexido com o emocional dela. Ela passou mal e retornou à clínica sozinha, mas foi liberada no mesmo dia. Estamos apreensivos, pois o telefone está desligado e perdemos o contato com a Úrsula”, relatou a prima, a contadora Danielle Sarti Leal, de 40 anos.
Publicidade
Separada do primeiro casamento e mãe de um filho de 16 anos, Úrsula trabalha como atendente no quiosque de um shopping center, na Zona Norte do Rio. De acordo com familiares, nos últimos meses, a rotina de trabalho da comerciária teria sido interferida devido aos constantes problemas de saúde. Uma informação, repassada à família, sobre possibilidade de Úrsula ter ido para a Central do Brasil, ainda não foi confirmada. A polícia investiga as circunstâncias do atendimento na clínica e a possibilidade de solicitar à Justiça as imagens de câmeras na região. O caso foi registrado na 22ª DP (Brás de Pina) e deverá ser encaminhado à Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA).