Jaqueline mora nos EUA e é mãe de coração de 5 crianças, além de seus outros 2 filhos biológicos - Divulgação
Jaqueline mora nos EUA e é mãe de coração de 5 crianças, além de seus outros 2 filhos biológicosDivulgação
Por O Dia
Publicado 24/10/2020 08:30 | Atualizado 24/10/2020 08:44
 
Ser mãe é ser puro amor! E para as mães de “filhos do coração” esse sentimento tem ainda mais significado. Mas com a crise do coronavírus, os processos de adoção estão caindo e muitas crianças ainda esperam por um novo lar. Hoje quero dividir com vocês uma linda história de adoção que teve um final feliz, a da capixaba Jaqueline Burgarelli.

Nós mulheres somos protagonistas e guerreiras em tudo e nessa situação não foi diferente. Jaqueline não só adotou, mas é mãe de coração de 5 crianças, além de seus outros 2 filhos biológicos. Uma família unida e que mostra como esse processo pode trazer ainda mais alegria para a vida. A história inspiradora nos mostra que a vontade, coragem e coração cheio de amor muda a triste realidade desses pequenos.

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça, no primeiro semestre deste ano, as adoções caíram cerca de 40% por causa da pandemia. Hoje no Brasil são 31 mil crianças em casas de acolhimento e cerca de 5 mil crianças disponíveis para adoção.

Jaqueline vive há 15 anos em Ohio, nos EUA, ela se mudou para lá aos 19 anos, após casar com seu primeiro marido, que era americano. Em 2006 ela teve seu primeiro filho biológico, André. Aos 20 anos ela se separou, passou por dificuldades por estar sozinha em um país estranho, mas foi nessa idade que conheceu seu atual marido, o policial José. Em 2011 nasceu seu segundo filho desse novo relacionamento, José Júnior. O menino chegou para completar a família. Mas não era isso que o destino reservava para eles.

Em 2014 o irmão mais novo de Jaqueline faleceu no Brasil, ele era alcóolatra e namorava uma mulher usuária de drogas, que logo depois também faleceu. Sem os pais, os dois sobrinhos de Jaqueline foram morar com a avó, não só eles, mas também Sarah, que era filha mais velha da mãe dos meninos com outra pessoa.

- Quando a mãe das crianças estava no CTI pediu para falar comigo ao telefone. Com a voz muito fraca pediu que eu cuidasse das suas crianças. Eu disse para ela ficar em paz e que se alguma coisa acontecesse daria minha palavra que cuidaria dos meus sobrinhos. Assim que desliguei o telefone, ela faleceu – conta Jaqueline.

Com a avó também morava outra sobrinha mais velha de Jaqueline, que maltratava as crianças. Foi então que ela decidiu adotá-los.

- As crianças já tinham sofrido muito, já estava na hora de serem bem cuidadas e de ter amparo. Soube que eles pediam comida no semáforo, viviam jogados, já chegaram a morar durante meses pelas ruas do Rio de Janeiro. Dormiam no chão, pois devido ao vício, os pais vendiam tudo que tinham dentro de casa. Quando tomamos a decisão de adotá-los, meu esposo e eu ligamos para o Brasil e perguntamos aos três se eles nos aceitavam como seus novos pais. Eles logo começaram a chorar e falaram que sim! - desabafa ela.

A adaptação das crianças nos EUA foi ótima e Jaqueline achou que finalmente a família com seus cinco filhos estava formada. Mas para sua surpresa, em agosto de 2019, ela soube da história impressionante de um casal de bebês gêmeos (Bradley e Alisson). A mãe americana descobriu que estava grávida e decidiu abortar em casa, as crianças nasceram prematuras e a mãe os abandonou na UTI. Eles foram adotados por um casal de americanos, mas que logo depois desistiram e devolveram os bebês.

- Eu vi os bebês pela primeira vez na igreja que eu frequentava, onde conheci a avó deles. O menino chorava demais, já a menina só ria. Eram crianças adoráveis e lindas! Loirinhos e tinham uns rostinhos mais fofos do mundo! – lembra Jaqueline.

A avó dos bebês estava com Alzheimer e o governo alegava que tinha que pegar a guarda das crianças. Foi então que a capixaba decidiu que poderia adotar mais essas crianças.

- Em meio a toda aquela angústia e agonia, mirei no fundo dos olhos do meu marido e disse: vamos ajudar, temporariamente, até ela se estabilizar. Onde comem cinco filhos, comem mais dois. Por que não? Com a convivência, passamos a sentir um amor tão grande por esse casal de gêmeos. Certo dia, eles foram passar o fim de semana no trailer da avó. Alisson passou dois dias sem dormir e sem querer se alimentar, gritava a noite pelo pai. Então, lá estávamos nós dirigindo para buscar nossa filha. Foi naquela hora que me dei conta que nós já éramos pais deles e ainda não sabíamos – explica ela.

Ainda em 2019, Jaqueline conseguiu a guarda das crianças e finalmente a família ficou completa. Hoje, ela é mãe de Sarah (15 anos), André (14 anos), João Paulo (11 anos), Júnior (9 anos), Daniel (9 anos) e Bradley e Alisson (3 anos). Ela também ajuda outras mães, dá dicas sobre como cuidar das crianças, fala sobre adoção e a rotina da família James através do seu Instagram (@jburgarelli). A brasileira também realiza palestras contando sua história de amor e dedicação e luta para incentivar a adoção de crianças e adolescentes nos EUA e no Brasil.


Família James - Brasileira que mora nos EUA adotou 5 crianças e hoje é mãe de 7 filhos  - Divulgação
Família James - Brasileira que mora nos EUA adotou 5 crianças e hoje é mãe de 7 filhos Divulgação