Matéria Salva!

Agora você pode ler esta notícia off-line

Matéria removida da seção links salvos

Mulheres no mercado de trabalho: elas são a aposta no saneamento

Colaboradoras da Águas do Rio exercem funções nas ruas e na área administrativa

Águas do Rio aposta em mulheres no mercado de trabalhoDivulgação

Duque de Caxias - As mulheres têm conquistado cada vez mais espaço no mercado de trabalho, inclusive desenvolvendo atividades antes consideradas predominantemente masculinas. Trocar hidrômetros, fazer instalação e religação de água também passou a ser função delas, como é o caso da agente comercial Rosana Paula, que trabalha na Águas do Rio, atuando na cidade de Duque de Caxias. Ao todo, 20% do quadro de funcionários da concessionária é formado por mulheres.
Águas do Rio aposta em mulheres no mercado de trabalho - Divulgação
Águas do Rio aposta em mulheres no mercado de trabalhoDivulgação


“Eu faço tudo o que os meninos fazem e as pessoas sempre reagem surpresas quando me veem executando essas atividades. É a primeira vez que eu trabalho assim e estou achando o máximo, porque gosto de me desafiar e aqui na empresa encontrei algo que possibilita meu trabalho: o respeito dos meus chefes e colegas de trabalho”, avalia Rosana.

Além das funções nas ruas, elas também estão desempenhando atividades na área administrativa. Tatiana de Oliveira é coordenadora comercial e lidera uma equipe de aproximadamente 50 homens.
“Eu fico feliz em trabalhar em uma empresa que não faz distinção do gênero, porque infelizmente essa ainda é uma dificuldade que muitas mulheres enfrentam. E estar trabalhando na Águas do Rio é uma oportunidade de provar que ser mulher não nos limita. Estou aqui para orientar e inspirar minha equipe de que, com dedicação e empenho, podemos chegar aonde quisermos”, afirma Tatiana.
Águas do Rio aposta em mulheres no mercado de trabalho - Divulgação
Águas do Rio aposta em mulheres no mercado de trabalhoDivulgação


Rosana e Tatiana sabem que o trabalho que realizam contribui para a qualidade de vida de milhares de pessoas, especialmente as mulheres. Segundo o Instituto Trata Brasil, 27 milhões de mulheres não têm acesso adequado ao saneamento.
“É gratificante trabalhar para mudar essa realidade”, conclui Rosana.
Você pode gostar
Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor.